Mc Dia Feliz acontece neste sábado

002Tradicionalmente a cada ano, no último sábado de agosto, acontece o Mc Dia Feliz, maior campanha em prol de crianças e adolescentes com câncer no Brasil. Além de despertar a atenção de toda a sociedade e sensibilizá-la para a maior causa de morte por doença entre crianças e jovens de 5 a 19 anos, a campanha coordenada nacionalmente pelo Instituto Ronald McDonald, visa captar recursos e concentrar esforços em projetos locais, regionais e nacionais a fim de contribuir para o aumento dos índices de cura do câncer infantojuvenil.

Neste ano o McDia Feliz AVOS (Associação de Voluntários de Saúde do Hospital Infantil Joana de Gusmão) tem o tema Seja Você Um herói, e busca apoio da população para a causa, que tem como finalidade proporcionar qualidade de vida e de tratamento para crianças e adolescentes com câncer de todo o Estado de Santa Catarina.

Toda renda com a venda dos sanduíches Big Mac do Mc Dia Feliz da AVOS é revertida em prol das crianças em tratamento de câncer no Hospital Infantil Joana de Gusmão. O objetivo este ano é vender 45 mil tíquetes de Big Mac no valor de R$13,50 cada.

Para ajudar a divulgar a campanha e angariar mais vendas de tickets, cada região tem um Mc Amigo. Balneário Camboriú e Itajaí são representadas pelo promoter Alex Ferrer, que não mediu esforços para ajudar nesta causa, doando seu tempo e denominando padrinhos e madrinhas para juntos levantar a maior quantia de dinheiro possível.

Na região a campanha conta com o apoio de empresas como o Balneário Shopping, Swarovski, Clínica Andy Ern, Clínica Conceitualle, Artefacto Home, Recamier Motel, G Beauté e as construtoras Mendes Sibara, Platinum 78, Saint Claire e AMDG Imóveis.

No ano de 2014, o Setor de Oncologia do Hospital Infantil Joana de Gusmão prestou 8 mil atendimentos ambulatoriais e cerca de 7 mil aplicações de quimioterapias.

No local são atendidas crianças de todo Estado de Santa Catarina.

Neste sábado, 29 de agosto, Seja Você um Herói para as Crianças.

Fotos: Carlos Alberto Alves

Madrinhas da campanha para nossa região:

Bianca Bobato e o Mc Amigo Alex Ferrer

Bianca Bobato e o Mc Amigo Alex Ferrer

Simone Quaresimini

Simone Quaresimini

Dra. Adriana Dal Bello

Dra. Adriana Dal Bello

 

Avène promove a 2ª edição da Corrida Contra o Câncer de Pele Avène

Floripa recebe a 2ª Corrida Contra o Câncer de Pele Avène que reúne atletas amadores, pacientes e médicos afim de estimular uma causa nobre: o combate ao câncer de pele. O evento é pioneiro no Brasil e será realizado com apoio da SBD-SC (Sociedade Brasileira de Dermatologia filial SC) no dia 30 de agosto, na Beira Mar Continental, a partir das 09 horas.

A Eau Thermale Avène é a marca n°1 em vendas de filtros solares nas farmácias da Europa e, também é parceira das principais fundações internacionais de combate ao câncer de pele em campanhas de conscientização sobre a importância do uso do filtro solar. Reconhecendo o crescimento do esporte no Brasil – já que é o 2° mais praticado no país – e acompanhando as estatísticas sobre a incidência de câncer de pele, inclusive na região sul, a empresa apresenta mais uma edição deste evento.

A Corrida Contra o Câncer de Pele abre 500 inscrições a partir do dia 05 de agosto, através do site http://www.focoradical.com.br. Os participantes receberão um kit com camiseta, viseira, protetor solar Avène e mochila.

Após a corrida, médicos dermatologistas estarão disponíveis para tirar dúvidas do público em relação aos métodos de prevenção e diagnósticos da doença.

Além de praticar exercício e ainda conscientizar sobre a importância dos cuidados com o sol, os participantes da 2ª Corrida Contra o Câncer de Pele Avène vão ajudar a ampliar o diagnóstico da doença em Florianópolis.

Conforme informações da gerente de marketing da marca Eau Thermale Avène, Olivia Bonnet Servieres, toda a renda arrecadada com a venda dos ingressos será destinada para a compra do Cryogun ou a “garrafa de crio”. Os aparelhos adquiridos serão destinados à instituições de saúde de Santa Catarina.  De acordo com o presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD SC),  Dr. Daniel Nunes, esse equipamento é usado no tratamento de lesões pré-malignas e de tumores superficiais, sendo essencial no tratamento contra o câncer de pele.

Sobre a marca Eau Thermale Avène

É na Estação Termal de Avène, localizada no vilarejo de Avène no sudoeste da França, que a Água Termal Avène encontra toda a sua legitimidade. Em 1990, foram criadas simultaneamente a marca EAU THERMALE AVÈNE e a Estação Termal de Avène, um centro de hidroterapia dedicado às peles sensíveis e patologias cutâneas.

A Estação Termal de Avène oferece os equipamentos médicos mais modernos. É lá que a hidroterapia com Água Termal é realizada sob um rigoroso controle médico/dermatológico e contribui amplamente para o reconhecimento internacional da Água Termal Avène no tratamento de diversas patologias cutâneas, sendo a única água termal do mercado com mais de 150 estudos clínicos realizados sendo 50 deles publicados em revistas científicas de renome internacional.

A Estação Termal de Avène conta com uma equipe jovem e apaixonada que recebe por ano cerca de 2800 pacientes entre bebês, crianças, adultos e idosos que buscam tratamentos para diversas patologias e danos da pele como: dermatite atópica, eczema, psoríase, coceira crônica, queimaduras e cicatrizes.
Logo 2 Corrida Avene
Serviços:
O quê: 2ª Corrida Contra o Câncer de Pele Avène
Quando: 30 de agosto
Local: Beira Mar Continental
Horário: 09h00
Percurso: 5km

Valor da Inscrição: R$ 50
Inscrições: inscricoes.focoradical.com.br

Split-ender: o fim das pontas duplas!

cabelos-pontas-duplas-1Toda mulher sofre com as pontas duplas! Seja pelo envelhecimento do fio,
ressecamento, uso constante de secador e chapinha. Quer fazer o teste e
ver se você também sofre com isso? Separe lâminas de 1 centímetro de
cabelo e torça os fios suavemente. Se observar que muitas pontas
sobressaem à mecha, com aspecto esbranquiçado, está com pontas duplas”,
ensina Sergio G, do Hi Salão, hair stylist de Fernanda Lima e Tânia
Khalill.

E o pior: nenhum cabelo está livre das pontas duplas. Mas é possível
tratá-las e preveni-las no salão e em casa. Antigamente, os métodos
usados para solucionar o problema eram o corte à vela, que queimava essas
pontinhas, e o bordado, cujas mechas eram separadas em um centímetro e com
uma tesoura cortava-se ponta por ponta. Os procedimentos levavam horas
para terminar e ainda tinha o risco de causar acidentes, principalmente
com o cabelo das clientes.

“Hoje, um equipamento que realiza todo esse trabalho pelo profissional em
apenas 20 minutos, é o Split-Ender. Com o cabelo alinhado, ele não pode
estar embaraçado, nem crespo, precisa estar seco e limpo, sem nenhum
resíduo, como de oleosidade ou produtos, que poderiam danificar o
equipamento, o profissional passa o aparelho, mecha a mecha, do
comprimento às pontas. As pontas duplas são cortadas e o aparelho não
interfere no formato do corte nem no comprimento”, garante Sergio G.

No salão, você pode optar ainda pela cauterização. O tratamento ameniza o
aspecto de frizz do cabelo decorrente as pontas duplas, mas não evita a
necessidade de corte. “Para manter os fios bonitos, corte, em média, a
cada 60 dias. Jamais corte desfiado, na navalho ou a seco, pois eles podem
favorecer o aparecimento das pontas duplas”, explica Rodrigo Cintra, hair
stylist do Studio W e coapresentador do programa Esquadrão da Moda (SBT).

Em casa, use produtos como protetor térmico, leave-in, óleos sérum e faça
hidratações periódicas com queratina, que ajuda na reconstrução do fio, e
máscaras que selam a cutícula. “Vale dar um tempo na chapinha, secador e
modelador. A chapinha favorece o aparecimento das pontas duplas por conta
da alta temperatura, que causa sérios danos à estrutura do cabelo, como
quebra da fibra, ressecamento e escamação do couro cabeludo”, alerta
Rodrigo Cintra, que ainda ensina como secar as madeixas. “A secagem errada
contribui para o aparecimento das pontas duplas e pode quebrar os fios.
Para secá-los adequadamente, use o secador longe das madeixas, com
intensidade no máximo e temperatura média. Lembre-se de aplicar um bom
protetor térmico antes de iniciar a escovação e o um óleo reparador no
final.”

Santa Catarina mantém destaque nacional na doação de órgãos

Em Itajaí, Hospital Marieta realiza o cadastro de doares de medula óssea

 

ITAJAÍ (SC) – A equipe da SC Transplantes e a Secretaria de Estado da Saúde estão otimistas com relação ao número de doações de órgãos e tecidos no estado. Santa Catarina lidera o ranking do Brasil. Segundo o Registro Brasileiro de Transplantes, o Estado está em primeiro lugar com base no número de doadores efetivos por milhão de população, entre janeiro e março de 2015. Para tentar contribuir no índice, o Hospital e Maternidade Marieta Konder Bornhausen realiza o cadastro de doadores de medula óssea de toda a região.

Em todo 2014 o Hospital Marieta cadastrou 317 doadores de medula óssea. Foram 241 só no primeiro semestre. Já neste ano, a procura ainda está baixa, com apenas 51 candidatos. O trabalho da equipe de saúde agora é divulgar o cadastro, para que o número de voluntários aumente. Para os pacientes portadores de leucemia ou de outras doenças do sangue que precisam do transplante, a única esperança é encontrar um doador.

Os interessados em fazer o cadastro devem procurar a recepção do Hospital Marieta, de segunda a sexta no período da tarde, entre 14h e 16h30min. O futuro voluntário será encaminhado para a Agência Transfusional. É preciso levar carteira de identidade e, quem tiver, o Cartão Nacional de Saúde. Os doadores precisam ser saudáveis e ter entre 18 e 54 anos.

Como é feito o cadastro voluntário de doadores de medula óssea:

Na Agência Transfusional do Hospital Marieta uma equipe especializada vai repassar todas as orientações sobre o procedimento. Se a pessoa concordar, ela preencherá um cadastro e será feita a coleta de uma amostra de sangue de cerca de 4ml, para a tipagem HLA (que mostra as características genéticas essenciais para a seleção de um doador). O material é enviado para o Hemosc e todos os dados serão inseridos no cadastro do Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome).

Biomédica responsável pela Agência Transfusional, Larissa Pucci reforça a importância da divulgação do processo de doação, já que a chance de encontrar uma medula compatível pode ser de uma em um milhão. “Muitas pessoas possuem medo de doar, mas isso muitas vezes vem da falta de conhecimento ou mitos sobre o processo”, ressalta. Ela comenta que um dos equívocos é pensar que a amostra seria retirada da coluna, da medula espinhal, e que qualquer erro médico poderia comprometer a saúde da pessoa.

“Na verdade, a medula usada em transplante é a óssea, que é coletada do interior dos ossos da bacia”, complementa. Caso seja encontrado um doador compatível através do cadastro do Redome, ele será consultado sobre a possibilidade e vontade de fazer a doação.  Segundo a biomédica, após 15 dias, a medula óssea do doador se recompõe.

Os números de transplantes em SC

Dados da SC Transplantes mostram que de janeiro a junho foram registradas 103 doações, enquanto no mesmo período do ano passado foram 92. Os números revelam que a recusa familiar, no caso de pacientes com morte encefálica, tem diminuído a cada ano. Em 2007 a negativa era de 70%, enquanto hoje 35% das famílias dizem não para a doação de órgãos. Ainda segundo a SC Transplantes, até os seis primeiros meses deste ano, 757 pessoas estavam cadastradas na lista de espera para realizar um transplante. Hoje as maiores filas são para transplantes de rins (343), córneas (229), fígado (75) e medula óssea (62).

 Hospital e Maternidade Marieta Konder Bornhausen

www.hospitalmarieta.org.br

doação

Crédito: Daiane Basso, Oficina das palavras. / Imagem: Divulgação.

Revolucionária cirurgia plástica combate a enxaqueca

Cerca de 30 milhões de brasileiros sofrem com as dores que podem durar dias

 

Só quem sofre de enxaqueca sabe medir a dor que sente a cada crise. Diferente de uma dor de cabeça comum, facilmente tratada com analgésicos, a enxaqueca é caracterizada por uma dor unilateral, alternante, forte, latejante, acompanhada de náuseas ou vômitos e fotofobia. As crises podem durar entre 4 a 72 horas e geralmente tem predisposição genética.

Segundo o cirurgião plástico, Dr. Andy Ern, inúmeros fatores influenciam nas dores. “Determinados alimentos, alterações de sono, jejum prolongado, exposição luminosa, esforço físico, alterações hormonais, uso de anticoncepcionais, estresse, depressão e uso excessivo de analgésicos acentuam a enxaqueca”, explica o médico.

Como a enxaqueca é desencadeada por múltiplos fatores, quanto mais ampla a abordagem do quadro e detecção dos potenciais gatilhos de dor, maior o sucesso num tratamento, que geralmente envolve analgésicos comuns, eventualmente associados a outras drogas, botox, além de mudança de hábitos, como alimentação equilibrada, sono regular, prática de exercícios físicos, redução do consumo diário de cafeína e controle dos níveis de estresse. Essas medidas ajudam a diminuir a frequência e a intensidade das crises.

Para quem já tentou todos os tratamentos e não conseguiu se livrar das dores, uma boa notícia chega para dar esperança a cerca de 30 milhões de pessoas que somente no Brasil sofrem com o distúrbio neurológico. Um recente artigo científico publicado no periódico The Journal of Craniofacial Surgery, por Edoardo Raposio, da seção de Cirurgia Plástica do Departamento de Ciências Cirúrgicas da Universidade de Parma, na Itália, informou que duas horas de cirurgia e uma noite de repouso mandaram embora sintomas desagradáveis da enxaqueca em 90% dos pacientes que não respondiam mais aos tratamentos.

Segundo o artigo, esta nova terapia, minimamente invasiva, já é realidade no tratamento daqueles pacientes que não respondem aos medicamentos, ou nos quais os efeitos colaterais são tão significativos que esses remédios se tornam impraticáveis.

A técnica consiste em seccionar pequenos músculos situados na região frontal ou occipital com uma só incisão de poucos centímetros no couro cabeludo (portanto escondida pelos cabelos, quando presentes) e a utilização de um endoscópio particular até a liberação dos nervos, a estimulação dos quais são gatilhos para as crises de enxaqueca.

A técnica cirúrgica foi aperfeiçoada por dois anos no departamento de “Cirurgia da Pele e anexos, minimamente invasiva, regeneradora e plástica” de um hospital universitário de Parma.

A intervenção, feita com anestesia local e com internação de apenas um dia, dura cerca de duas horas e o percentual de sucesso foi de aproximadamente de 90% nos pacientes tratados.

A enxaqueca atinge cerca de 12% da população mundial, com uma incidência maior na quarta década de vida e acomete mais frequentemente as mulheres.

O Dr. Andy Ern, que atende em sua Clínica de Cirurgia Plástica, em Itajaí, explica que antes de se submeter a qualquer procedimento cirúrgico é necessário consultar um especialista credenciado a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, que indicará o melhor tratamento para cada caso.

 

Crédito: Fabiana Rodrigues, Agência A. /  Fotos: Roney Rodrigues ( Dr. Andy Ern), Divulgação.

Gluteoplastia

Cirurgia de aumento der glúteos conquista cada vez mais mulheres

Que mulher não gostaria de ter um bumbum durinho e com um formato arredondado? Quando a genética não ajuda e a malhação não consegue dar jeito, a cirurgia plástica pode ser uma solução com resultados satisfatórios e duradouros.

Quem explica é o cirurgião plástico Dr. Andy Ern, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e que comanda a Clínica Andy Ern, em Itajaí. “A cirurgia de gluteoplastia é uma cirurgia que serve para o aumento do glúteo, onde geralmente implantamos uma prótese de silicone na região intramuscular para proporcionar o aumento do glúteo e a melhora do contorno desta região”, explica Dr. Andy.

Além da prótese, existem outros procedimentos, segundo o cirurgião. Um deles é o enxerto de gordura, ou lipoescultura, onde é retirada gordura de uma parte do corpo e injetada no glúteo. Mas essa cirurgia tem algumas limitações, conforme acrescenta o médico, principalmente nos casos de pacientes com pouca gordura e pacientes com bastante déficit de musculatura na região glútea, porque a quantidade de gordura colocada tem que ser maior e isso aumenta os riscos no procedimento.

A gluteoplastia é indicada para pacientes que tem pouco glúteo ou pouco desenvolvimento da musculatura, pois a cirurgia proporciona um aumento mais homogêneo dessa região.  “A gordura, em alguns casos, pode ter um índice de absorção alto, em torno de 50 até 80% do que é injetado, pode ser absorvido. Então numa paciente que tem pouco bumbum, o indicado é fazer a colocação de uma prótese, onde saberemos exatamente que quantidade colocar para um melhor preenchimento”, avalia o cirurgião.

 

A PRÓTESE GLÚTEA

A prótese de glúteo é feita por uma cápsula de silicone, que reveste o implante, e por dentro ela é composta de um gel de silicone de alta coesividade, um pouco mais espesso e duro do que o gel de silicone usado nas mamas. Isso melhora o contorno da região, pela própria densidade do material.

 

FORMATOS DAS PRÓTESES

Existem dois formatos básicos de próteses de glúteos: a redonda, com um diâmetro maior e a oval, uma prótese indicada para quem tem alguma depressão, ou uma diminuição de volume mais na região lateral do glúteo. “Essa prótese se adapta melhor nessa região do glúteo, melhorando o aspecto de afundamento lateral, em mulheres com pouca musculatura”, explica o Dr. Andy Ern.

 

VOLUME

Segundo o cirurgião plástico, o formato e o tamanho são individualizados, portanto é preciso avaliar paciente por paciente, para ver qual o formato do glúteo e o tamanho da musculatura, já que hoje as próteses são colocadas intramuscular, ou seja, dentro do músculo. “Hoje os tamanhos variam de 200 a 350 ml e são estes os mais indicados para o aumento de bumbum”, informa Dr. Andy.

 

RECOMENDAÇÕES

Para realizar uma cirurgia de gluteoplastia os cuidados começam já no pré-operatório, com a escolha do cirurgião, que deve ser membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e ter bastante experiência neste tipo de procedimento. “Recomendo no pré-operatório que o paciente faça uma série de exames, como cardiológico e exame de sangue, para ver se ele não tem nenhuma condição prévia que prejudique seu procedimento cirúrgico”, observa o cirurgião.

Já no pós-operatório é necessário seguir todas as recomendações do médico, inclusive quanto ao repouso, que deve ser maior que uma cirurgia de prótese de mamas, mas sem deixar de movimentar os membros inferiores, não deixando as pernas muito paradas, até pra não ter problemas circulatórios. Com qualquer tipo de procedimento, Dr. Andy explica que a cirurgia de gluteoplastia também pode apresentar complicações. “O conselho é que após o procedimento a paciente se movimente, não ficando muito parada, ou seja, fazendo repouso, mas não esquecendo de se movimentar, para evitar outros problemas como a trombose, por exemplo”.

 

CUIDADOS

O pós-operatório é de mais ou menos 30 dias, sendo que nos primeiros 15 a 20 dias a paciente deve ficar em repouso, mas não é absoluto, procurando caminhar para evitar problemas circulatórios. Os exercícios físicos só serão liberados pelo médico. Cuidados também com os curativos. “No começo eles são feitos de 3 a 4 dias no consultório do cirurgião e posteriormente são feitos em casa, principalmente depois de 20 dias da cirurgia”, esclarece o médico.

Sobre a posição indicada para se ficar no pós operatório, Dr. Andy explica que a paciente até pode ficar sentada, mas geralmente é indicado um colchão “caixa de ovo’, que possui pequenas perfurações, para que a paciente possa sentar sem causar pressão sob a região operada.

 

RESULTADOS

De acordo com o cirurgião, os resultados são bons desde que sejam indicados corretamente, para casos onde há pouco glúteo e o tamanho escolhido de prótese seja o adequado. “Se todas as recomendações forem seguidas, o grau alto de satisfação entre as pacientes é bastante grande”, finaliza o médico.

 

Crédito: Alex Ferrer, Agência A. /  Fotos: Divulgação e Agência A ( Dr. Andy Ern).

Sem desculpas para emagrecer!

Você sabia que no inverno a queima calórica é até 10% maior?

 

Que o frio deixa todo mundo mais preguiçoso é verdade, afinal só de pensar em sair da cama tem muita gente que prefere virar pro lado e voltar a dormir. Malhar então? Nem pensar!!!

A velha teoria que diz que no frio a gente sempre engorda e que antes do verão se corre atrás do prejuízo parece fazer parte do calendário anual de muita gente. E é aí que mora o perigo.

Com temperaturas mais baixas, buscamos alimentos mais calóricos e é assim que ganhamos uns quilinhos extras, mas, segundo o médico do esporte, Dr. Fernando Querne, para quem acha difícil emagrecer no inverno, saiba que o frio pode ser um grande aliado.

Segundo o médico, que atende na Clínica Conceitualle, com a temperaturas mais baixas o organismo precisa se manter aquecido e, portanto, acelera o nosso metabolismo, aumentando o gasto calórico em até 10% nessa época do ano. “O corpo precisa manter sempre a temperatura interna e com o frio, para conseguir equilibrá-la, é preciso queimar mais combustível”, explica o Dr. Fernando. A dica, segundo ele, é restringir o consumo de calorias e gorduras, porque assim, o corpo terá que gastar o que está guardado para produzir calor.

Se você não quer meter o pé na jaca e sair comendo tudo que vê pela frente, os cuidados com a alimentação devem ser redobrados nos dias frios, para manter tanto o peso quanto a saúde em dia. Como? Procure receitas lights dos pratos prediletos do inverno, como o fondue, a feijoada, sopas, cremes e chocolate quente.

As atividades físicas também não podem ser uma rotina apenas nos meses mais quentes. Mantenha o hábito pelo menos 3 vezes por semana, variando entre aeróbicos e musculação.

“Deve-se ter a consciência de que o simples fato de estarmos no inverno não fará com que você emagreça.”, explica o Dr. Fernando Querne.

– É necessário colaborar com o organismo, regulando-o para queimar corretamente as gorduras: a chamada reeducação metabólica. Normalmente, o que acontece é que muitas pessoas não gostam do frio e acabam descontando isso na comida. Cuidado! Como no inverno utilizam-se várias camadas de roupa, as gorduras acumuladas vão ficando escondidas e muitas vezes não percebe-se o quanto se está engordando, – adverte o médico.

Crédito: Alex Ferrer, Agencia A. /  Fotos: Divulgação.

Cuidado com o suplemento de cálcio que você ingere

100% natural, suplemento de cálcio procedente de algas marinhas tem maior absorção e não traz riscos ao coração, como outros encontrados no mercado

Os minerais são tão fundamentais para o nosso organismo quanto as próprias vitaminas e proteínas. O cálcio, por exemplo, é um nutriente essencial para manter os ossos fortes por toda a vida, além de ter papel de destaque em outras funções vitais, como as batidas do coração.

O ritmo de vida corrido das grandes cidades e o alto consumo de alimentos processados e industrializados contribuem para uma alimentação acidificante que “rouba” o cálcio do organismo. Por isso, manter hábitos saudáveis e uma alimentação balanceada são excelentes maneiras de obter os minerais essenciais para o bom funcionamento do corpo. Isso, no entanto, não é suficiente.

O estudo Concentrações de Cálcio e de Magnésio em Alguns Alimentos Consumidos no Brasil, feito por Kátia Silva Ferreira, nutricionista da Universidade Estadual do Norte Fluminense, concluiu que “os alimentos de origem vegetal, como tubérculos e raízes, com poucas exceções, apresentam teores de cálcio e de magnésio correspondentes a somente 10%, ou menos, da ingestão diária recomendada (IDR) para o ser humano”. Portanto, do ponto de vista nutricional, esses alimentos oferecem quantidades insuficientes de cálcio e outros minerais.

Deste modo, a suplementação de cálcio e demais minerais é uma forte aliada à saúde. O médico endocrinologista e geriatra Jorge Jamili recomenda o consumo de suplemento de cálcio ao longo de toda a vida, uma vez que 90% dos ossos têm sua formação concluída na adolescência, e, a partir dos 35 anos, a perda do cálcio se torna mais intensa, levando a uma redução de até 8% da massa óssea a cada década. “Para as mulheres de 19 a 50 anos e homens de 19 a 70, a dose diária recomendada é de 1.000 mg/dia. Mulheres com mais de 50 anos e homens acima de 70 requerem 1.200 mg/dia”, diz o especialista.

Mas é preciso estar atento quanto à origem desse cálcio. Um estudo alemão mostrou que pessoas que tomam suplemento de cálcio têm 86% mais chances de apresentarem problemas cardíacos devido ao depósito nas artérias dos resíduos não absorvidos ou eliminados.

“A suplementação é fundamental, mas é preciso cuidado! A maioria dos suplementos à venda no mercado traz o cálcio sintético ou cálcio de ostra, de origem animal. São produtos mais baratos e muito consumidos, que podem causar riscos à saúde sem que as pessoas saibam disso. Cálcio e outros minerais isolados inorgânicos, moleculares ou quelados podem provocar alergias e eventuais depósitos nas artérias e articulações”, explica o químico José Celso Guimarães, responsável técnico da Phosther Algamar.

Alguns médicos vêm até mesmo desencorajando a suplementação de cálcio por causa dos riscos cardíacos. A boa notícia é que existe uma alternativa saudável para a suplementação de cálcio e outros minerais, que é procedente das algas marinhas. Essa fonte de cálcio, ainda não muito conhecida, é 100% natural, não traz riscos à saúde e ainda tem maior poder de absorção no organismo.

Um outro estudo, este publicado na revista científica Agro-Food-Industry Hi-Tech, na França, comprovou os diferentes graus de absorção de cálcio, a partir de variadas fontes. A pesquisa mostrou que o cálcio proveniente de algas marinhas, de origem vegetal, é 96% absorvido pelo corpo, contra 67% do cálcio da dolomita, de origem mineral; e 61% do cálcio de ostra, de origem animal.

“Há no mercado diversos tipos de suplementos de cálcio de origem animal, mineral, sintético e vegetal. Este último é extraído das algas e, por ser um repositor natural, é o único que oferece segurança à saúde porque seus elementos são organizados harmonicamente pela própria alga sem que haja conflito, sendo absorvido em sua quase totalidade pelo organismo”, explica Dr. Jorge Jamili.

Produzido no Brasil, o Vitalidade é um suplemento multimineral feito à base de algas marinhas que tem em sua composição 74 minerais, como cálcio, magnésio, manganês, cromo, zinco, ferro, cobre, entre outros necessários para prevenir doenças e manter o corpo saudável. Seu diferencial com relação aos outros suplementos é que ele não causa efeitos nocivos à saúde, pois é 100% natural e, além disso, por ser de origem vegetal, possui altíssimo grau de absorção (90%) e biodisponibilidade no organismo (capacidade de integração dos minerais ao sistema do corpo humano), reduzindo assim os riscos de desenvolvimento de problemas cardíacos ao não produzir resíduos ou depósitos nas artérias.

Pesquisa realizada pelo Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) comprovou que o suplemento Vitalidade, além de diversos minerais em sua composição, tem também a presença de polissacarídeos, que auxiliam no combate aos processos inflamatórios.

Crédito: Assessoria de imprensa da Phosther Algamar.

Calcio-700x499

A vilã do diabetes: hipoglicemia noturna

Entenda porque o baixo nível de açúcar no sangue pode ser tão perigoso

O quadro de hipoglicemia se caracteriza pelo baixo nível de açúcar (glicose) no sangue e é uma das principais complicações para quem sofre com o diabetes, doença que atinge 11,6 milhões de brasileiros adultos, segundo aSociedade Brasileira de Diabetes.

A hipoglicemia pode acometer qualquer pessoa, porém os portadores de diabetes são mais vulneráveis por conta da disfunção na produção da insulina. “Para controlar esse sintoma, alguns hábitos podem ser revistos para que o paciente controle os níveis de açúcar no sangue e, assim, evite a hipoglicemia”, comenta Dra. Priscilla Mattar, endocrinologista e gerente médica da Novo Nordisk no Brasil. Entre eles, evitar o jejum, respeitando os horários corretos das refeições, não praticar atividades físicas sem ter se alimentado, seguir corretamente as doses de insulinas ou medicamentos orais e evitar consumo de álcool.

“A hipoglicemia noturna é a vilã de quem tem diabetes. O quadro, que assusta pacientes e quem convive com eles, pode ser fatal caso a glicose não seja reposta imediatamente”, complementa a Dra. Priscilla. Para evitar o problema, além do controle dos níveis de açúcar no sangue, é possível contar com medicamentos. “A degludeca é uma insulina de ultralonga duração, que proporciona até 42 horas de cobertura¹, e reduz em 25% o risco de hipoglicemia noturna em diabetes tipo 1² e em 43% nos diabéticos tipo 2³”, completa.

Além de mais tempo de ação, esse cuidado dá mais segurança para o paciente e para a pessoa que convive com ela. “Hoje muitas pessoas que têm diabetes não dormem fora de casa ou viajam sozinhas por receio caso tenham algum episódio de hipoglicemia grave durante a noite.  A redução dos episódios de hipoglicemia traz mais segurança e confiança ao paciente”, finaliza a médica.

Por isso, importante ficar atento aos sinais de hipoglicemia, como sensação de tremores, fraqueza, fome, suor frio, nervosismo e/ou sonolência, confusão mental, agressividade ou desmaio. Seguindo todos esses cuidados e sinais de atenção, é possível conviver com a doença e ter o tratamento adequado.

Sobre o diabetes

O diabetes ocorre quando o pâncreas perde a capacidade de produzir insulina ou a produz de forma insuficiente, ou ainda quando há alteração da ação desta insulina no organismo. Estas alterações na produção ou ação da insulina causam aumento da glicemia (açúcar no sangue). A insulina é essencial para o bom funcionamento do organismo, já que é um hormônio que age transportando a glicose do sangue (absorvida na alimentação) para dentro da célula, servindo como fonte de energia4.

Existem tipos diferentes de diabetes. São eles:

Tipo 1

Na maioria dos casos, trata-se de uma doença autoimune, caracterizada pela destruição das células beta do pâncreas, responsáveis pela produção de insulina. Este tipo é geralmente diagnosticado ainda na infância ou adolescência, mas pode surgir também em outras faixas etárias.

Tipo 2

É o mais comum e corresponde a 90% dos casos. Ocorre pela inexistência, insuficiência ou resistência à insulina (ação alterada da insulina). Cerca de 50% dos portadores de diabetes tipo 2 não sabem de sua condição, justamente pelos poucos sintomas que apresentam no início da doença.

1. Haahr, Hanne , Heise, Tim
Clinical Pharmacokinetics, 2014, Vol.53(9), pp.787-800
2. Heller S, et al. Insulin degludec, an ultra-long-acting basal insulin, versus insulin glargine in basal-bolus treatment with mealtime insulin aspart in type 1 diabetes (BEGIN Basal-Bolus Type 1): a phase 3, randomised, open-label, treat-to-target non-inferiority trial. Lancet. 2012;379:1489–97.
3. Rodbard HW, Cariou B, Zinman B, Handelsman Y, Philis-Tsimikas A, Skjøth TV, Rana A, Mathieu C; BEGIN Once Long Trial Investigators. Comparison of insulin degludec with insulin glargine in insulin-naive subjects with Type 2 diabetes: a 2-year randomized, treat-to-target trial. Diabet Med. 2013 Nov;30(11):1298-304.
4. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2013-2014

Sobre a Novo Nordisk

Sediada na Dinamarca, a Novo Nordisk é uma empresa global de cuidados com a saúde, com mais de 90 anos de inovação e liderança no tratamento do diabetes. A empresa também tem posições de liderança em cuidados com a hemofilia, distúrbios de crescimento e terapias de reposição hormonal. A Novo Nordisk emprega cerca de 40.700 funcionários em 75 afiliadas e comercializa seus produtos em mais de 180 países. Para mais informações, visite o sitewww.novonordisk.com.br.

Crédito: Paula Patari

diabetic

Exposição frequente a barulhos pode causar perda auditiva irreversível

Liquidificador, aspirador de pó, máquina de lavar. Mesmo sem sair de casa, todas as pessoas estão, frequentemente, expostas a ruídos nada agradáveis. Além disso, ainda há o som das ruas e também os barulhos produzidos no ambiente de trabalho, o que, somado ao longo de anos, pode desencadear problemas auditivos irreversíveis em quem não toma precauções diárias.

 

Segundo o otorrinolaringologista Marcio Freitas, alguns sinais indicam que a exposição ao ruído está excessiva e, dessa forma, tende a causar prejuízos. “É preciso ficar alerta quando escutamos zumbido, tontura, piora gradativa da audição e irritabilidade após escutarmos barulhos intensos”, explica.

 

O médico ressalta que, em geral, sons com intensidade superior a 80 decibéis causam problemas. Como meio de controle, existe uma tabela usada para limitar o volume de equipamentos de som, aparelhos eletrodomésticos e máquinas em geral. Ela também regulamenta o barulho presente em fábricas, por exemplo.

 

Conforme Freitas, as empresas têm que, obrigatoriamente, medir a intensidade de ruído ao que os funcionários ficam expostos. Essa avaliação deve ser realizada por um técnico do trabalho utilizando o decibelímetro. Em ambientes nos quais é constatado barulho acima dos 80 decibéis os colaboradores precisam usar protetores para evitar prejuízos auditivos.

 

Ele ainda chama atenção para o exagero do volume de aparelhos de uso doméstico, principalmente, aqueles conectados a fones de ouvido. Com o passar do tempo e de forma gradual, eles também causam perda auditiva. “É sempre indicado reduzir a exposição e respeitar os limites de decibéis indicados pelos especialistas”, avisa.

 

Saiba mais

Estima-se que, no Brasil, cerca de 15 milhões de pessoas possuem deficiência auditiva. No mundo, 10% da população são afetados pelo problema. Segundo estudos, 30% a 35% dos casos de perda auditiva são decorrentes da exposição a sons intensos, sejam eles em ambiente profissional ou em lazer (como shows ou aparelhos eletrônicos).

 

 

Sobre Marcio Freitas

Marcio Freitas possui graduação na Faculdade de Ciências Médicas e residência de Otorrinolaringologia, ambas pela Santa Casa de São Paulo. O médico atua em Jaraguá do Sul há 13 anos e integra o corpo clínico dos hospitais São José e Jaraguá. É também membro da Academia Brasileira de Otorrino e Cirurgia Cervico-Facial e da Academia Brasileira de Cirurgia Plástica da Face. Além disso, conta com Mini-Fellow em Cirurgia Plástica da Face e Cosmetologia pela University Of Miami (Muller School of Medicine). Ele atende na Clínica Dr. Marcio Freitas, na Rua Donaldo Gehring, 106, no Centro. Mais informações podem ser obtidas no site www.drmarciofreitas.com.br. O especialista também está no Facebook.

Fonte: Marcio Freitas – (47) 3371-6777

Crédito: Equipe Entrelinhas.

Marcio Freitas 3 - divulgação Entrelinhas