Especialista esclarece mitos relacionados à alimentação

A alimentação é cercada de mitos. De tempos em tempos, produtos e hábitos trocam o posto de vilão pelo de mocinho e, na mesma velocidade, retornam também ao lugar inicial. Por isso, fica difícil saber o que realmente é saudável e, em contrapartida, o que deve ser riscado da rotina alimentar.

Em meio a tantas dúvidas, vale sempre pesquisar, avaliar e, principalmente, levar o assunto a um especialista. Segundo a médica nutróloga Cristiane Molon, são muitas as lendas construídas em torno dos alimentos e quanto à forma correta de consumi-los no dia a dia. Uma pergunta comum, por exemplo, diz respeito à ingestão de carboidratos no período da noite. “É normal me perguntarem se comer esses produtos após as 18h engorda”, comenta.

Conforme a médica, a resposta gira em torno da quantidade e do tipo de carboidrato consumido e não do horário. “O problema está na versão refinada, presente em pães, massas, cucas e bolos feitos com farinha de trigo comum. Eles se transformam rapidamente em açúcar, então, há liberação de insulina e armazenamento de gordura, assim como aumento do risco de diabetes”, explica. Diante dessa realidade, ela sugere carboidratos integrais combinados com proteína e gorduras boas para que se evite picos de insulina.

Outro mito bastante comum na alimentação é que produtos integrais não engordam. De acordo com Cristiane, porém, todos os alimentos possuem calorias e, quando ocorrem exageros, podem levar ao ganho de peso.

O mesmo acontece com a tapioca, alimento que, nos últimos anos, ganhou ainda mais popularidade no Brasil. “Ela não contém glúten, mas é carboidrato, ou seja, transforma-se em açúcar após ser ingerido. Quando consumido sem moderação, além de engordar, pode piorar a diabetes. O ideal é acrescentar linhaça ou chia para uma versão mais saudável e com redução de carga glicêmica”, esclarece.

Do outro lado, aparece um alimento que já passou por inúmeros altos e baixos e levou fama de indutor do colesterol alto. Apesar dos mitos que envolvem o ovo, ele é completo, nutritivo e merece voltar aos cardápios. A médica ressalta que, ao contrário do que pensou, a gema não eleva o colesterol, já os carboidratos refinados, sim. Então, vale começar o dia com um café da manhã a base de ovos para ter saciedade por mais tempo.

Rotineira, a indicação de fazer refeições e lanches a cada três horas para emagrecer também ganhou status de mito. A nutróloga enfatiza que estudos vêm mostrando que fazer três refeições equilibradas em nutrientes, minerais e macronutrientes tem mais benefícios no processo do emagrecimento do que seis refeições diárias. Ela ainda reitera que o corpo humano não está preparado para digerir alimentos o tempo todo e um jejum diário de 12 horas é natural e necessário. “Ressalto que existem as necessidades individuais e condições de saúde específicas, portanto, cada pessoa responde de formas diferentes”, complementa.

 alimentos

Outros mitos

– Comer menos gordura para emagrecer: as gorduras de ovos e carne vermelha foram demonizadas por muito tempo. Mas, o mecanismo é um pouco mais complexo. Uma alimentação com muito carboidrato e gordura faz engordar, mas não é só a gordura a responsável. O problema está na combinação dos carboidratos e na ingestão calórica excessiva.

– Massas, pães e grãos são saudáveis: o resultado de uma dieta rica em carboidratos e pobre em proteínas e gorduras saudáveis é responsável pela atual epidemia de obesidade e diabetes. A alimentação do brasileiro está pobre em nutrientes e rica em calorias devido ao consumo excessivo de alimentos industrializados. Existem carboidratos que são saudáveis (batata-doce, batata cará, taiá, lentilha, feijão, grão de bico, legumes), em contrapartida, há os alimentos prejudiciais como os refrigerantes, sucos de caixa, pão branco, balas, doces em geral.

– Alimentos light e sem gordura ajudam emagrecer: os alimentos light e sem gordura fazem sucesso porque contêm menos calorias. Mas, como são industrializados, têm muito carboidrato, açúcar e sódio. Os alimentos light ajudam a diminuir a ingestão de calorias, mas não ajudam a controlar a fome porque têm açúcar.

– Proteína faz mal aos rins: as pessoas com problemas renais devem comer menos proteína, mas os saudáveis não precisam se preocupar. A maioria das pessoas fora do peso ideal come pouca proteína e isso afeta a saciedade, aumentando a compulsão alimentar. Uma dieta hiperproteica faz bem para alguns, enquanto que para outros não. Não existe receita universal, cada pessoa funciona de um jeito.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s