Não seja visita

Você já reparou que existem dezenas listas de dicas para visitar um recém-nascido. Boa parte delas chamando atenção para higiene e cuidados com a saúde do bebê. Tem gente que acha frescura. Tem gente que acha que deveria logo lavar o visitante todo com álcool 70%. Já eu, bem eu acho que a regra é clara, como diria Arnaldo: não visite.

Aposto que você pensou: “Chegou a chata mimizenta”. Veja bem, não digo que você não deve ir. Para visitar uma família recém-parida você precisa – além de estar mega saudável e respeitar todas aquelas dicas básicas de higiene – não ser visita. Sabe o que isto significa? Significa que você precisa ser íntimo desta família para estar lá em um momento tão delicado.

Você precisa ser íntimo a ponto da mãe não se importar em aparecer sem sutiã, sem banho e sem dormir há dias na sua frente. Se a mãe tiver que tomar banho e se arrumar para te receber, não é hora de você ir. Precisa ser íntimo para ninguém se preocupar em te servir café, porque, claro, você mesmo levou uma refeição para todos, além de uns potinhos de comida congelada, os quais você guardou na geladeira. Você precisa ser íntimo para que a família não precise arrumar a casa para te receber, na verdade você pode dar uma varrida, lavar uma louça ou, no mínimo, se oferecer para ajudar em alguma tarefa. Significa que você ligou para combinar a visita, mas não para pedir o endereço, porque é óbvio que não é a primeira vez que você vai na casa dessa família.

Veja bem, eu sei que suas intenções são as melhores, que você comprou um presente lindo e que você só quer ver o bebê mais fofo do momento. Mas, se você chegou até aqui, pois atingiu todos os níveis de intimidade, saberá quando é o melhor momento. Pode ser três dias ou três meses após o parto. Mas quando este momento chegar, lembre-se de ir ver a mãe. O bebê não te conhece e não está nem aí para você. Talvez ela precise de um bom banho, um lanche, um cochilo, uma volta na padaria, uma massagem, um ombro. Talvez ele precise de uma conversa, um descanso. Talvez o filho (a) mais velho (a) precise de atenção, de um passeio. Ninguém precisa de palpites ou comparações, tampouco de intromissões e julgamentos. Nessa hora, esteja como amigo. Não de visitas.

Por

Dai Fagundes

Especialista em comunicação e empreendedora da marca

de enxovais infantis Di Mammi. 

Instagram: di_mammi

Apaixonada pela escrita, deseja levar textos com bom-humor e empatia para as mamães.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s