O assustador mundo novo criado pela COVID-19

E tudo de repente silenciou… A escola parou. A cidade e o Estado pararam, o país parou. O mundo parou! Um vírus foi a causa de tal paralização. O coronavírus que era algo que estava acontecendo fora, longe, passou a acompanhar o dia a dia das pessoas. O assustador mundo novo criado pela covid-19 não era exatamente o ideal, as pessoas não deviam se beijar ou se abraçar.

Medidas de isolamento foram tomadas pelas autoridades. As famílias precisaram se recolher em
seus lares, numa nova rotina, com todos juntos, o dia todo. Sem sair para o trabalho, sem escola para as crianças… O que fazer com tanto tempo disponível? O coronavírus fez com que se parasse um pouco com tudo para uma avaliação geral.

E o mundo começou a perceber que havia coisas boas. Uma sensação de alívio e bem estar há muito tempo não sentidos estava lá, bem escondida, atrás do medo e da incerteza. Outras coisas voltaram aos hábitos das pessoas. A contemplação por exemplo. Contemplavam uma paisagem, um inseto na parede, uma criança brincando. Contemplavam as mudanças do dia, o sol da manhã, e o entardecer.

A cozinha ganhou lugar de destaque entre as famílias, como antigamente, quando o almoço era preparado com tempo e toda a família se reunia à mesa para saborear a comida e conversar. Novas receitas de pães e bolos eram experimentadas e orgulhosas de suas produções, as pessoas publicaram em suas redes sociais.

As pessoas passaram a olhar mais para si e para as pessoas mais próximas. Nas ruas menos pressa, menos gente, menos aflição, menos estresse. A vaidade diminuiu. Todos se dedicaram mais às suas famílias, à cultura e, naturalmente, à saúde. Troca de olhares pela janela, palmas e música melhoraram em muito a relação entre vizinhos. Reuniões virtuais e aulas à distância viraram moda.

E as crianças? Como ficará o ano escolar? Perderão alguma coisa, ou ganharão ao aprender a cozinhar, arrumar seus brinquedos, cantar em família e ouvir histórias antes de dormir? Se elas aprenderem que estar junto é muito mais saudável do que ter os eletrônicos à mão e aprenderem a ser mais conectados com a família e o bem comum, talvez não tenhamos perdido
um tempo acadêmico, mas ganho um grande futuro.

Por

Susana Mara Nunes

Coordenadora Pedagógica

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s