Oncofertilidade

Tratamento que possibilita cuidar da fertilidade dos pacientes com câncer.

Todo o diagnóstico de câncer está envolto por um momento delicado, que gera incontáveis dúvidas. E quando se é jovem e ainda não tem filhos, esta preocupação chega também sobre as questões da fertilidade. Isso porque alguns tratamentos contra o câncer como a quimioterapia e a radioterapia podem, muitas vezes, levar à infertilidade tanto feminina, quanto na masculina. Ou seja, entre as consequências destes tratamentos oncológicos estão: a ausência de espermatozoides no homem, a falência ovariana e a menopausa precoce nas mulheres. Vale ressaltar ainda que estes efeitos colaterais podem ser permanentes ou transitórios, além do que nos casos reversíveis o desaparecimento do problema poderá levar meses, ou até mesmo anos, para desaparecer.

Mas, a boa notícia é que por meio da reprodução humana assistida já é possível adotar estratégias para a preservação da fertilidade. Sim, em boa parte dos casos de câncer, há uma grande chance de auxiliar os pacientes de engravidar no futuro e então construir a tão sonhada família.  

Para quem ainda não conhece, a Oncofertilidade é uma especialidade que surgiu para manter a fertilidade dos pacientes com diagnóstico de câncer.

Como é feito?

A criopreservação é a principal aliada no processo de preservação da fertilidade. Em outras palavras, é por meio do congelamento de óvulos, espermatozoides, embriões e tecido testicular e ovariano que se dá o procedimento. 

Quando fazer?

A decisão de preservação da fertilidade por meio do congelamento seminal ou de óvulos, deve ser discutida nos primeiros momentos entre o diagnóstico e o tratamento da doença.  

Quem pode optar?

O tratamento de Oncofertilidade é indicado para mulheres e homens que foram diagnosticados com câncer e que desejam no futuro ter filhos. No entanto, somente seu oncologista ou médico responsável é quem poderá avaliar se o tratamento é viável ou não. 

Atenção

Mulheres com câncer de mama podem passar pelo processo de estimulação ovariana, porém, necessitam de atenção redobrada para a coleta de óvulos, que precisam de ajustes de medicamentos de acordo com o tipo de tumor.


Dra. Grazielle Alves Bento 

CRM/SC 18490 | RQE 14880

Ginecologista, especialista em medicina reprodutiva

@DRAGRAZIELLEBENTO

Sócia da FERTVITA 

R. Fernando Azevedo, 137 – Sala 1 – Praia dos Amores, Balneário Camboriú

📱 (47) 2122-3232 | 9 8837-2052

@fertvitamedicinareprodutiva

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s