JÁ OUVIU FALAR EM CUIDADO CENTRADO NA PESSOA?

Prática traz o paciente para o centro de tudo.

Dra. Letícia Porciuncula | foto @marciojrph

O que é o cuidado centrado na pessoa?

O cuidado centrado na pessoa significa reconhecer que suas necessidades estão em primeiro lugar. Esse cuidado oferece uma assistência individualizada, integral e humanizada, sintetizando a eficiência e o acolhimento. Não se trata apenas de entender somente a doença em si, mas também a vida emocional do paciente e tudo o que isso engloba.  

Assim, o atendimento profissional passa a ser personalizado de acordo com as vontades e demandas individuais e com decisões compartilhadas entre profissionais da saúde e pacientes e familiares/cuidadores. 

Qual a importância desta prática?

A importância dessa prática surge uma vez que o cuidado centrado na pessoa propõe que se elabore um plano conjunto de manejo dos problemas. Nesse processo, a pessoa atendida e o profissional de saúde procuram alcançar um entendimento mútuo e estabelecer uma concordância em três áreas chaves: definição do problema, o estabelecimento de prioridades e metas para o tratamento ou manejo da doença e a identificação dos papéis a serem assumidos por cada um. 

Como deve ser este cuidado centrado no paciente?

Para isso, alguns pontos são importantes:

1. O atendimento deve ser apropriado e eficaz para o problema de saúde;

2. A assistência à saúde deve respeitar as vontades e necessidades;

3. O tratamento é humanizado, acolhedor e sem julgamentos;

4. Os esclarecimentos devem ser de maneira clara a respeito de informações importantes relativas à sua saúde;

5. A tomada de decisões é compartilhada entre todos os responsáveis pelo cuidado.

Quais seriam os oito princípios do cuidado centrado na pessoa?

1- Respeito pelos valores do paciente, preferências e necessidades expressas. Reconhecer as especificidades do paciente, mantendo-o informado e envolvendo-o em todas as decisões sobre os cuidados com a sua saúde.

2- Coordenação e integração do atendimento: equipe de saúde deve estar trabalhando em conjunto e cuidando do paciente como um todo. 

3- Informação, comunicação e educação: explicar e educar sobre o diagnóstico e o tratamento, ao mesmo tempo em que as expectativas e preocupações do paciente são levadas em consideração;

4- Conforto físico: para melhorar a experiência do paciente;

5- Apoio emocional e alívio do medo e da ansiedade: lidar com a ansiedade em relação à doença e ao tratamento é tão importante quanto lidar com a própria enfermidade;

6- Envolvimento de familiares e amigos: trazer familiares e cuidadores para o processo de cuidado, respeitando e levando em conta suas preocupações.

7- Continuidade e transição: certificar-se de que o paciente compreende todos os próximos passos, com relação a medicação, terapia contínua e preocupações semelhantes;

8 – Acesso ao atendimento: romper todas as barreiras do atendimento. Não dificultar o acesso.


Dra. Letícia Porciuncula

📱 (47) 9 9944-1380

domiciliarsc@gmail.com

atendimentodomiciliarsc.com.br

@domiciliarsc

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s