É LEI: RÓTULOS TERÃO QUE INFORMAR SE ALIMENTOS TEM LACTOSE

Nutróloga de Itajaí explica a diferença  entre intolerância à lactose e alergia à proteína do leite
O Ministério da Saúde estima que 70% dos brasileiros tenham algum tipo de intolerância à lactose. Para alertar os consultores e evitar problemas, foi sancionada em julho deste ano a lei nº 13.305 que obrigada os fabricantes de alimentos a especificarem no rótulo se existe a presença de lactose e qual o teor no produto. A lei passa a valer em 180 dias, ou seja, logo vamos ver essa mudança nas prateleiras dos supermercados. 
A nutróloga Ana Paula Scremin lembra:  “A intolerância é quando temos uma dificuldade de digerir o  açúcar do leite ( lactose) isso acontece quando adultos ou ainda crianças produzimos pouca ou nenhuma lactase,que é a enzima do nosso organismo que faz esse processo de  digestão. Quando não digerimos o açúcar do leite, ele fica fermentando no nosso intestino e daí vem aquelas reações que ninguém gosta: diarreia, vômitos e arrotos”
leite
A médica ainda explica: “A intolerância à lactose não é o mesmo que alergia ao leite. No caso da alergia ao leite, o nosso organismo tem uma reação imunológica que rejeita a proteína do leite e de seus derivados. Os sintomas podem aparecer na pele e até na respiração”, explica drª Ana Paula, que além de nutróloga é dermatologista e costuma perceber essa alteração em pacientes que atende em seu consultório. 
Para diagnosticar o problema ideal é procurar um especialista e ter o acompanhamento de um nutricionista ou nutrólogo, que vai substituir alimentos ou até mesmo avaliar a necessidade de suplementar a dieta para que o paciente não perca nutrientes importantes. “O leite  de vaca é um alimento muito presente na refeição dos brasileiros e é recomendado em diferentes fases da nossa vida. Tem importantes nutrientes como a vitamina B2, além de ser a melhor fonte de cálcio, bom para os ossos ” afirma a nutróloga.

Visão turva, dor de cabeça e olhos pesados? Atenção, você pode estar com glaucoma

O glaucoma é hoje a maior causa de cegueira irreversível no mundo; tratamentos alternativos auxiliam na prevenção e evitam cirurgia

Os números em torno do glaucoma são preocupantes em todo o mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde, esta é hoje a terceira maior causa de deficiência visual e a segunda maior causa de cegueira – independente da população avaliada, tanto em países desenvolvidos como nos mais pobres. Entre as causas de cegueira irreversível, o glaucoma ocupa a primeira posição. Estima-se que atualmente existem cerca de 285 milhões de pessoas com deficiência visual em decorrência do glaucoma; deste total, 62% tem mais de 50 anos. No Brasil, o glaucoma atinge, aproximadamente, 1 milhão de pessoas.

A boa notícia é que tratamentos considerados “alternativos” pela medicina podem contribuir para a melhora da visão. “Tenho pacientes que melhoraram a sua acuidade visual (capacidade de perceber a forma e o contorno dos objetos) após tratamento com acupuntura e micronutrição. Mas não somente com a medicina complementar, e sim em conjunto com a medicina convencional”, relata Karla Tratsk, médica oftalmologista, de Santo Amaro da Imperatriz (SC).

Segundo Karla, os tratamentos convencionais, como o uso de colírios para controle da pressão ocular, são eficazes, mas não previnem e nem revertem o quadro clínico. “Penso que os tratamentos alternativos podem, inclusive, potencializar a função dos colírios hipotensores”, ressalta a doutora em Oftalmologia pela Universidade de Münster, na Alemanha.

O glaucoma tem como característica levar as células condutoras do estímulo da visão à morte, deixando sequelas como a cegueira irreversível. “Com o tratamento complementar podemos salvar as células que estão ‘no caminho da morte’, que ainda têm chance de viver mas que já são consideradas ‘mortas’ por estarem com suas funções comprometidas”, explica.

foto glaucoma

Tratamento personalizado

Os tratamentos complementares variam de paciente para paciente. Segundo a médica, alguns precisam gerenciar melhor seus níveis de stress, outros necessitam passar por uma desintoxicação ou há ainda quem precise de mais oxigenação celular. “Cada caso é um caso. Ainda não se sabe ao certo porque uma pessoa adoece de glaucoma. São vários os fatores de risco, por isso não podemos, ainda, evitar a chegada, mas é possível otimizar o tratamento unindo a medicina convencional e a medicina complementar”, salienta a especialista.

Sintomas

Visão turva, halos ao redor das luzes, sensação de peso sob e/ou atrás dos olhos, cabeça “pesada” pela manhã e diminuição do campo de visão são alguns dos sintomas percebidos. Em casos agudos, o paciente pode apresentar uma dor intensa na região frontal, que irradia para a nuca – normalmente essa dor é confundida com a enxaqueca, além de poder estar acompanhada de vômitos. Alguns fatores de risco devem ser observados: idade avançada, quem já possui histórico da doença na família, afrodescendentes e alterações da pressão arterial.

Tabagismo e stress como agravantes

O tabaco pode influenciar o surgimento ou agravamento do glaucoma, pois o cigarro diminui o calibre dos vasos – e o glaucoma é uma doença dos vasos do olho. Então, se a pessoa já tem pré-disposição a problemas vasculares, o uso contínuo do tabaco aumenta a probabilidade da incidência.

Como acontece com outras doenças, o stress também é fator de risco. “Quando não gerencio bem o stress, deixando que seja mais forte que o meu equilíbrio, ele (stress) faz com que eu esteja sempre em estado de vigília, o que provoca a liberação de adrenalina e causa vasoconstrição nos vasos sanguíneos e, consequentemente, estreitamento dos mesmos”, explica.

Progressos

Mesmo que os números ainda assustem, há sim muito o que comemorar. Além dos avanços dos métodos convencionais, que controlam a progressão do glaucoma e vêm reduzindo o número de cirurgias, o auxílio das técnicas complementares tem resgatado as células atingidas pela doença que ainda possuem potencial de recuperação. “Algo difícil de imaginar há 15 anos”, lembra Karla Tratsk.

Abra a porta para novos sorrisos!

Para nós é um imenso prazer fazer parte de uma cidade que vai fazer 52 anos e já é um pequeno paraíso. Então resolvemos antecipar a comemoração e na próxima Segunda-feira e Terça-feira teremos durante o dia um coffee break à disposição de vocês amigos clientes. E para completar, quem quiser aproveitar as condições especiais de atendimento é só  ligar  no 3047-8888 e agendar horário. Aproveite, as vagas são limitadas! Esperamos vocês.

Cirurgias plásticas são aliadas na busca por um rosto mais jovem

Os sinais de envelhecimento costumam ser implacáveis com o aspecto facial. Rugas, vincos e marcas de expressão trazem ao rosto a sensação de cansaço e, muitas vezes, não condizem com a idade. Por isso, há inúmeras maneiras de amenizar esses problemas e, dentro da cirurgia plástica, os procedimentos são diversos.

De acordo com o cirurgião plástico Josinaldo Martins, existe uma infinidade de procedimentos quando o assunto é a beleza facial. Da lipoaspiração no pescoço ao lifting e da blefaroplastia à lipoenxertia, a especialidade conta com opções específicas para atender cada uma das demandas dos pacientes.

foto rosto

A blefaroplastia, por exemplo, retira o excesso de pele e das bolsas de gordura das pálpebras. “Com o avanço da idade ou devido características hereditárias, as pálpebras apresentam sinais de cansaço causados pelo envelhecimento da face. Na parte superior é comum acontecer o excesso de pele, enquanto que, na pálpebra inferior, é comum o acúmulo de gordura e flacidez de pele”, explica. O procedimento, segundo Martins, costuma ocorrer após os 35 anos de idade. A recuperação, geralmente, leva de cinco a 15 dias e deixa apenas uma pequena e bastante discreta cicatriz.

Já a lipoenxertia costuma ser indicada para quem necessita de preenchimento nos lábios, maçãs do rosto e em rugas profundas. A cirurgia, de anestesia local e duração de uma a duas horas, transfere gordura aspirada de outras áreas do corpo para essas regiões do rosto.

Os pacientes que buscam os resultados opostos, ou seja, a remoção do excesso de gordura, têm a opção de aderir à lipoaspiração do pescoço. Ela pode ser realizada isoladamente ou como complementação ao lifting. “Este, por sua vez, retira o excesso de pele e flacidez, melhorando o contorno e diminuindo os sinais de envelhecimento”, esclarece.

Na lista de opções para devolver a jovialidade ao rosto ainda estão a toxina botulínica e os preenchimentos cutâneos. Quando bem indicado, o Botox pode suavizar as marcas de expressão sem que seja preciso se submeter à cirurgia. Os preenchimentos podem servir ao aumento dos lábios, melhorar o contorno do rosto e suavizar linhas e sulcos que se formam com o passar dos anos.

De acordo com Martins, diante de tantas opções, é importante consultar um especialista de confiança para escolher a mais indicada em cada caso. Além disso, independentemente do tratamento escolhido, vale ter certeza de que o cirurgião é membro da Sociedade Brasileira Cirurgia Plástica.

Meu filho pode ser celíaco??

Por Dra. Luciana S. Célia Fossari- Gastroenterologista Pediátrica 

O que é doença Celíaca?

A doença celíaca (DC) é uma doença do intestino delgado, auto-imune, caracterizada pela intolerância permanente ao glúten, uma proteína encontrada no trigo, centeio, cevada e malte (sub-produto da cevada), em pessoas geneticamente predispostas (celíacos)

A ingestão destes alimentos, pelos celíacos, provoca um processo inflamatório (“lesão”) no intestino delgado levando atrofia das vilosidades, impedindo a adequada absorção dos nutrientes.

dra luciana 1

Quais os sintomas?
A doença pode se manifestar de várias formas com:

  • Diarreia crônica
  • Dor abdominal
  • Distensão abdominal (barriga inchada)
  • Vômitos
  • Falta de apetite
  • Emagrecimento
  • Déficit do crescimento
  • Constipação crônica
  • Desnutrição
  • Anemia ferropriva não curável
  • Manchas e alteração do esmalte dental
  • Esterilidade
  • Abortos de repetição
  • Osteoporose

Pode ainda ser assintomática.
Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é feito através de exames laboratoriais, como anticorpos anti-gliadina, anti-endomísio, anti-transglutaminase, testes genéticos (HLADQ2 e DQ8 – ocasionalmente necessários) e confirmado por biópsia do intestino delgado

 

Como é feito o tratamento?

A dieta sem glúten é o único tratamento para DC e deve ser seguida para o resto da vida. O paciente celíaco, que não faz dieta, apresenta maior risco de desenvolver complicações como distúrbios neurológicos, psiquiátrico e tumor Deve-se ressaltar que o celíaco, que faz dieta corretamente, apresenta vida normal. Os grupos de apoio, as ACELBRA ( Associação dos Celíacos do Brasil ) são muito importantes para os celíacos.

Terapia CranioSacral auxilia em dores e disfunções como enxaqueca e depressão

Usamos e abusamos diariamente do nosso corpo. Ele é exigido fisicamente, mentalmente, espiritualmente e emocionalmente. Algumas pessoas conseguem lidar bem com os desafios e outras, lutam com problemas de dor e mobilidade. Então, o que fazer? Uma boa opção é a Terapia CranioSacral (TCS), uma novidade do Espaço Original, em Balneário Camboriú, que promete auxiliar no tratamento das mais diversas dores e disfunções, como enxaqueca, insônia e até depressão. A terapia ajuda a quebrar hábitos de estresse físico e mental, além de padrões corporais que têm persistido por vários anos.

O fisioterapeuta Gregory Dotto Simões atua na área há quatro anos e conta que a terapia criada pelo osteopata e pesquisador Dr. John Upledger, faz parte de  abordagens modernas  no tratamento e promoção da saúde integral. O sistema craniosacral é constituído pelos ossos do crânio, face, boca, membranas e fluidos cerebroespinhais que envolvem e protegem o cérebro e a medula. “O terapeuta usa técnicas manuais suaves a fim de liberar áreas de tensões e restrições ao longo do corpo que geram efeitos negativos sobre o sistema nervoso central”, explica.

A Terapia CranioSacral pode ser utilizada em conjunto com qualquer outro método terapêutico e a sessão tem em média uma hora de duração. É indicada em qualquer faixa etária e pode ser excelente para auxiliar no tratamento de distúrbios complexos que não responderam a outras terapias.  Além disso, mostra-se muito eficaz nos casos de dores de cabeça, enxaqueca, fibromialgia, dores crônicas ao longo da coluna, problemas de estresse e tensão, estresse pós-traumático, fadiga crônica, déficit de atenção, hiperatividade, distúrbios do sono, depressão, ansiedade, dificuldades emocionais e várias outras condições.

O método melhora o funcionamento corporal global, estimulando seus próprios mecanismos de cura e autocorreção. Gregory comenta que devido a estresses crônicos e traumas (físicos, químicos e emocionais), nosso corpo busca alternativas para contornar as tensões e deformações causadas pelas experiências vividas. “Essas alterações podem levar o sistema nervoso central, bem como outros sistemas do organismo, a não trabalharem em máxima eficiência. Então, após realizarmos a avaliação global seguimos para as correções. Vamos estimulando o corpo, de forma muito natural e sutil, a encontrar novos caminhos e um novo ponto de equilíbrio”, afirma.

Além das técnicas estruturais utilizadas, o trabalho corporal da TCS  possui um desenrolamento muito interessante. Essa continuação é chamada de Liberação Somato Emocional (LSE), que ajuda a liberar a mente e o corpo dos efeitos residuais de traumas passados associados às reações negativas que desfavorecem a integralidade do corpo. Durante a terapia, o paciente pode reviver momentos estressantes que não lembrava e que podem estar relacionados aos bloqueios. Alguns pesquisadores chamam esses registros de “memória tissular”, em que o próprio corpo é capaz de armazenar memórias em níveis celulares e teciduais, além do córtex cerebral. “É comum os pacientes relembrarem algumas situações. E isso ocorre de forma muito espontânea, respeitosa e segura. Armazenamos nos tecidos corporais muitas experiências, físicas ou emocionais. A disfunção normalmente é a ‘pontinha do iceberg’ e possui muita coisa abaixo dela. O primeiro passo é entender que a dor é um pedido de atenção de seu corpo. É o organismo sinalizando e pedindo atenção.”, finaliza.

????????????????????????????????????

Espaço Original
Inaugurado em 2012, o local é um espaço integrado de saúde e qualidade de vida, que une os melhores serviços para quem busca os benefícios de uma cotidiano mais saudável e prefere um atendimento personalizado. Com uma equipe de alta qualidade, o Espaço Original conta com fisioterapeutas, educadores físicos, nutricionista, psicólogas, profissionais de estética e dentista, que atuam em mais de 20 diferentes áreas da saúde. Endereço: Rua 2970, 420 – Centro – Balneário Camboriú.

3 MITOS E 3 VERDADES SOBRE O CÂNCER

Entre as crenças populares sobre o câncer, o que realmente é verdade?  Consultores médicos da Fundação do Câncer (http://cancer.org.br) esclarecem algumas dúvidas que envolvem a doença. A informação é uma das grandes aliadas para a prevenção, o diagnóstico precoce e o combate ao câncer. Confira:

mito verdade

MITOS

Ingerir comida levada ao micro-ondas pode ocasionar tumores malignos

O micro-ondas é seguro, tanto para aquecer quanto para cozinhar alimentos. O funcionamento do eletrodoméstico é através da vibração em alta frequência das moléculas, principalmente de água. O cuidado a ser tomado é o de evitar queimaduras decorrentes de superaquecimento dos alimentos. Para aproveitar o valor nutricional dos vegetais em sua totalidade, o melhor a fazer é consumi-los crus.

O uso de desodorante pode provocar câncer de mama

De forma alguma. O que ocorre é que muitas vezes o desodorante leva a uma obstrução (entupimento) de glândulas nas axilas, levando ao desenvolvimento de nódulos, que podem infeccionar. Muitas vezes são dolorosos, devendo ser tratados. Antes de usar quaisquer cosméticos, o ideal é ler as instruções. Em caso de problemas, deve-se procurar um profissional de saúde.

O cigarro causa somente um tipo de câncer, o de pulmão

O fumo pode causar tumores em qualquer lugar por onde suas cerca de 60 substâncias cancerígenas passam. Exemplos: boca, laringe, faringe, traqueia e esôfago, além dos pulmões. Até mesmo órgãos como estômago e bexiga ficam sob risco. Cânceres de mama e leucemia são mais comuns em fumantes também.

 

VERDADES

Um câncer pode ‘voltar’ em outro lugar

Uma das características do câncer é a possibilidade de o tumor inicial migrar para outras regiões do organismo. São as chamadas “metástases”. Então, um tumor maligno pode ser retirado cirurgicamente do seu local de origem, mas algumas células podem ter se deslocado para outra parte do organismo e, ali, dar origem a outros tumores.  Nunca deixe de conversar com o seu médico sobre suas dúvidas e apreensões.

Pintas e sinais podem se tornar câncer

A ‘Regra ABCD’ (da Sociedade Brasileira de Dermatologia – www.sbd.org.br) alerta sobre o problema: quando os sinais ou pintas tiverem forma Assimétrica, com Bordas irregulares, Cor apresentando dois ou mais tons e Dimensão maior que 6 mm, é preciso procurar um médico para fazer o diagnóstico mais adequado. A exposição excessiva ao sol é a principal causa do câncer de pele.

Exercícios e a alimentação saudável são escudos contra o câncer 

A atividade física regular é fator de proteção contra as chamadas doenças crônicas e degenerativas, como hipertensão, diabetes e câncer. Nunca é tarde para começar a prática de exercícios. Aliado a isto, a alimentação deve ser a mais variada possível, dando prioridade aos vegetais: coma pelo menos 5 porções ao dia de frutas, legumes e verduras. O excesso de alimentos industrializados, enlatados e conservados podem levar ao câncer e outras doenças. As carnes vermelhas processadas – embutidos de um modo geral – foram recentemente objeto de publicação da Organização Mundial da Saúde, que alertou sobre o perigo que seu consumo excessivo representa.

 

Sobre a Fundação do Câncer

A Fundação do Câncer (http://cancer.org.br)  é uma instituição privada sem fins lucrativos, há 25 anos promovendo ações estratégicas para a prevenção e o controle do câncer em todo país. Atua na promoção à saúde, prevenção, diagnóstico precoce, assistência, cuidados paliativos, educação e pesquisa, além de contar com projetos relacionados a transplante de medula óssea e sangue de cordão umbilical e placentário.

Palestra ensina cuidar da saúde no inverno com o uso de produtos naturais

Evento vai ensinar receitas da Ayurveda e Aromaterapia para prevenção de gripes e resfriados.

Nessa época do ano é difícil escapar da gripe e do resfriado. E na correria do dia a dia muitas vezes esquecemos de dedicar tempo à prevenção ou de dar uma chance aos tratamentos naturais para os males dessa época do ano. Pensando nisso, o espaço Florescer Bem-Estar e Saúde promove na próxima sexta-feira, 8 de julho, às 19 horas, uma palestra que promete unir os conhecimentos da Ayurveda e da Aromaterapia para prevenção e tratamento das doenças de inverno.

A palestra Saúde no Inverno: prevenção de doenças de inverno com Ayurveda e Óleos Essenciais será ministrada pela terapeuta de Ayurveda Aline Reipert e pelo biólogo Felipe Gomez Musa, produtor de óleos essenciais e diretor da Harmonia Natural. O objetivo do evento é oferecer orientações do Ayurveda para fortalecimento da imunidade e ensinar aplicações práticas de óleos essenciais na prevenção de gripe, tosse, resfriado, entre outras doenças.

at-aromaterapia

O uso farmacêutico e terapêutico dos óleos essências é bastante popular e as propriedades curativas destes óleos têm se mostrado eficazes para manter a saúde e tratar enfermidades mais leves. A cada nova descoberta a ciência quanto às propriedades terapêuticas das plantas, aumenta a procura pela Fitoterapia e Aromaterapia, muitas vezes resgatando costumes e conhecimentos antigos.

“O óleo de eucalipto, por exemplo, é bastante utilizado na prevenção e tratamento das doenças das vias respiratórios como o resfriado e a congestão nasal”, explica o biólogo Felipe Musa.

A Ayurveda também busca a manutenção da saúde e do bem-estar físico por meio massagens, terapias e principalmente pela alimentação, como receitas milenares de xarope de gengibre ou de pimenta com mel.

Tanto a Ayurveda como a Aromaterapia não tem a pretensão de substituir métodos tradicionais de tratamento de doenças respiratórias, mas podem servir como grandes aliados na prevenção e até mesmo no tratamento inicial de doenças para aquelas pessoas que estão em busca de uma saúde preventiva e terapias alternativas, que possam ser complementares da medicina tradicional.

 

Especialista esclarece mitos relacionados à alimentação

A alimentação é cercada de mitos. De tempos em tempos, produtos e hábitos trocam o posto de vilão pelo de mocinho e, na mesma velocidade, retornam também ao lugar inicial. Por isso, fica difícil saber o que realmente é saudável e, em contrapartida, o que deve ser riscado da rotina alimentar.

Em meio a tantas dúvidas, vale sempre pesquisar, avaliar e, principalmente, levar o assunto a um especialista. Segundo a médica nutróloga Cristiane Molon, são muitas as lendas construídas em torno dos alimentos e quanto à forma correta de consumi-los no dia a dia. Uma pergunta comum, por exemplo, diz respeito à ingestão de carboidratos no período da noite. “É normal me perguntarem se comer esses produtos após as 18h engorda”, comenta.

Conforme a médica, a resposta gira em torno da quantidade e do tipo de carboidrato consumido e não do horário. “O problema está na versão refinada, presente em pães, massas, cucas e bolos feitos com farinha de trigo comum. Eles se transformam rapidamente em açúcar, então, há liberação de insulina e armazenamento de gordura, assim como aumento do risco de diabetes”, explica. Diante dessa realidade, ela sugere carboidratos integrais combinados com proteína e gorduras boas para que se evite picos de insulina.

Outro mito bastante comum na alimentação é que produtos integrais não engordam. De acordo com Cristiane, porém, todos os alimentos possuem calorias e, quando ocorrem exageros, podem levar ao ganho de peso.

O mesmo acontece com a tapioca, alimento que, nos últimos anos, ganhou ainda mais popularidade no Brasil. “Ela não contém glúten, mas é carboidrato, ou seja, transforma-se em açúcar após ser ingerido. Quando consumido sem moderação, além de engordar, pode piorar a diabetes. O ideal é acrescentar linhaça ou chia para uma versão mais saudável e com redução de carga glicêmica”, esclarece.

Do outro lado, aparece um alimento que já passou por inúmeros altos e baixos e levou fama de indutor do colesterol alto. Apesar dos mitos que envolvem o ovo, ele é completo, nutritivo e merece voltar aos cardápios. A médica ressalta que, ao contrário do que pensou, a gema não eleva o colesterol, já os carboidratos refinados, sim. Então, vale começar o dia com um café da manhã a base de ovos para ter saciedade por mais tempo.

Rotineira, a indicação de fazer refeições e lanches a cada três horas para emagrecer também ganhou status de mito. A nutróloga enfatiza que estudos vêm mostrando que fazer três refeições equilibradas em nutrientes, minerais e macronutrientes tem mais benefícios no processo do emagrecimento do que seis refeições diárias. Ela ainda reitera que o corpo humano não está preparado para digerir alimentos o tempo todo e um jejum diário de 12 horas é natural e necessário. “Ressalto que existem as necessidades individuais e condições de saúde específicas, portanto, cada pessoa responde de formas diferentes”, complementa.

 alimentos

Outros mitos

– Comer menos gordura para emagrecer: as gorduras de ovos e carne vermelha foram demonizadas por muito tempo. Mas, o mecanismo é um pouco mais complexo. Uma alimentação com muito carboidrato e gordura faz engordar, mas não é só a gordura a responsável. O problema está na combinação dos carboidratos e na ingestão calórica excessiva.

– Massas, pães e grãos são saudáveis: o resultado de uma dieta rica em carboidratos e pobre em proteínas e gorduras saudáveis é responsável pela atual epidemia de obesidade e diabetes. A alimentação do brasileiro está pobre em nutrientes e rica em calorias devido ao consumo excessivo de alimentos industrializados. Existem carboidratos que são saudáveis (batata-doce, batata cará, taiá, lentilha, feijão, grão de bico, legumes), em contrapartida, há os alimentos prejudiciais como os refrigerantes, sucos de caixa, pão branco, balas, doces em geral.

– Alimentos light e sem gordura ajudam emagrecer: os alimentos light e sem gordura fazem sucesso porque contêm menos calorias. Mas, como são industrializados, têm muito carboidrato, açúcar e sódio. Os alimentos light ajudam a diminuir a ingestão de calorias, mas não ajudam a controlar a fome porque têm açúcar.

– Proteína faz mal aos rins: as pessoas com problemas renais devem comer menos proteína, mas os saudáveis não precisam se preocupar. A maioria das pessoas fora do peso ideal come pouca proteína e isso afeta a saciedade, aumentando a compulsão alimentar. Uma dieta hiperproteica faz bem para alguns, enquanto que para outros não. Não existe receita universal, cada pessoa funciona de um jeito.