Medicações psiquiátricas na gestação

Atendo muitas gestantes no meu consultório, principalmente por quadro de humor depressivo ou de ansiedade. Uma das grandes dúvidas é em relação à segurança dos psicotrópicos para o bebê quando são indicados para a mãe. Lembrando que toda gestante que estiver vivenciando sinais ou sintomas psíquicos intensos em quaisquer fases da gestação deve procurar o médico especialista que é o psiquiatra. Além disso, história prévia ou familiar de transtornos psíquicos pode aumentar o risco de reagudização dos sintomas nessa fase ou de depressão pós-parto; portanto, procurar o psiquiatra torna-se muitas vezes imprescindível.

Quando necessárias, bem indicadas e conduzidas, as medicações podem salvar o bebê, a gestante e o vínculo entre eles. Os prejuízos causados pela doença quando se espera remissão espontânea, sem avaliação ou tratamento adequado, podem ser devastadores para ambos. As doenças mentais, além de alterações comportamentais e emocionais, podem cursar com alterações cerebrais e isso repercute de forma negativa em todos os sistemas do corpo da mãe e consequentemente para o bebê.

Fatores inflamatórios e hormônios do estresse, como o cortisol, a adrenalina e a noradrenalina são liberados, podendo causar prematuridade, aumento do peso, restrição do crescimento intrauterino e do bebê, partos prematuros, cesárias, pré-eclâmpsia, hipoglicemia do recém-nascido, trabalho de parto prematuro, problemas na amamentação entre outros. Além disso, prejudica o vínculo da mãe com o bebê, podendo assim repercutir negativamente na vida adulta.

A estrutura emocional do bebê começa a se desenvolver na sua vida intrauterina. Existem sim evidências de que alguns psicotrópicos podem causar prejuízos para o desenvolvimento do bebê, mas outros são bastante seguros para serem utilizados nessa fase. Não se pode generalizar, afirmando que todos os fármacos utilizados para tratar transtornos psiquiátricos são maléficos para o bebê durante a gestação da mesma forma que nem toda gestante com sintomas psíquicos tem indicação para utilizá-los.

Infelizmente percebo muitas prescrições desnecessárias e muitas vezes até arriscadas vindas de profissionais não especialistas, por isso a importância de procurar o psiquiatra, aliás existem psiquiatras perinatais. Percebo que muitas vezes os medos das gestantes em relação ao tratamento psiquiátrico farmacológico ocorrem por preconceitos e falta de informação; portanto, a psicoeducação é extremamente importante. A gestação é uma fase de descobertas positivas, mas também podem ser de revivências negativas da infância, de amadurecimento e evolução na sua concepção mais ampla. Pode ser libertador ou avassalador. Procurar ajuda multidisciplinar em saúde mental é imprescindível para tratar transtornos mentais na gestação. Psiquiatras, obstetras, pediatras e psicólogos juntos, tratando mãe e bebê de forma integrada.

Por

Dra. Vanessa Adegas Menin

Psiquiatria e psicoterapia – CRM 22011 RQE 12908 

CLINSAM – Clínica de saúde mental – Rua Antônio Manoel Moreira, 140 – Itajaí 

(47) 4141.8781 (47)99641.8781 

clinsam.dap@gmail.com / desvendandoapsiquiatria.com.br 

Facebook e Instagram: vanessapsiquiatra 

Instagram: clin_sam

Youtube: Desvendando a Psquiatria

Maternidade e autoestima

Você já reparou como a maternidade mexe com a autoestima da mulher?

É incrível, mas a autoestima baixa é uma queixa muito comum entre as mães, especialmente nos primeiros anos de vida! É claro que não é uma regra, mas grande parte delas, passa por este desafio.

Bem, o corpo muda, o tempo para si diminui, a autocobrança aumenta, o senso de responsabilidade também, e estes são apenas alguns dos fatores que causam toda essa mudança na autoestima feminina. O fato é que, de uma forma ou de outra, em algum momento, a mãe precisa voltar a olhar para si, e resgatar a mulher que existe por trás daquela mãe!

Se você já acompanha os artigos aqui na revista, sabe que eu não é a primeira vez que falo sobre isso. Mas afinal, porque esse “resgate” é tão importante? Porque quando nos tornamos mães, o nosso olhar fica completamente voltado para aquele serzinho tão pequeno e “indefeso” que certamente, precisa de atenção e cuidado integral. No entanto, com o passar dos meses, acredite, não tem problema algum você voltar a olhar para si.

É essencial, que com o passar dos meses, a mulher volte a pensar em si (provavelmente de forma lenta no início, pois esta mudança pode parecer estranha), e busque se reconectar com sua essência. Quais são as coisas que mais gosto de fazer? O que posso fazer por mim hoje, que vai me fazer sentir melhor? Essas são duas perguntas que podem te ajudar a iniciar essa busca de reconexão!

Mas não é egoísmo pensar em mim, e não nos meus filhos? De forma alguma! Veja bem, você vai pensar TAMBÉM em você, e não apenas em seus filhos! Tudo bem se você tirar umas horinhas para você, ou mesmo alguns dias de vez em quando. Isso vai te fazer sentir melhor? ÓTIMO, então faça. Afinal, a ciência já comprovou: mães felizes, criam filhos mais felizes!

Por

Ana Paula Majcher

Psicóloga – CRP:12/10780

Av. Cel. Marcos Konder, 1313, Centro, Itajaí – SC, 8801-300

(47) 99172-5620

Instagram: gestandoeaprendendo

Universo do Bebê

Uma das mais conceituadas e completas lojas de artigos infantis da região se tornou a queridinhas das mamães, avós, titias e madrinhas na hora de pensar no enxoval completo ou em um presente para os pequenos.

A chegada de um bebê na família é, com toda a certeza, uma das maiores alegrias na vida de qualquer pessoa. Além disso, é um momento que requer uma grande preparação, afinal será necessário pensar em tudo, até mesmo onde este novo serzinho irá dormir, quais roupinhas irá vestir, se a estação em que chegará será fria ou quente, entre incontáveis outros fatores e itens. Sim, são tantos detalhes que parece não ter fim, não é mesmo?!

E foi pensando em ajudar as mamães, papais, vovós, titias e madrinhas, que surgiu há 14 anos a Universo do Bebê, com o objetivo de oferecer em um único lugar todos os produtos necessários para a chegada de uma criança. E não é à toa que ao longo de sua trajetória se consagrou na região com uma das mais completas lojas de artigos infantis. Com quatro unidades, sendo três na cidade de Itajaí e uma em Navegantes, somam mais de 1200m2 com produtos de excelência e bom preço. Além de ofertar qualidade e uma variedade incrível de produtos, item este considerado um dos diferenciais da loja, também investe no bom atendimento personalizado que, segundo os sócios à frente da Universo do Bebê – Cristiane Maria Correia Winter e Joacir José Winter, são pontos fundamentais para o sucesso de qualquer negócio: qualidade, preço e excelência no atendimento.

E sabe aquele cheirinho delicioso de bebê, que nos remetem à sensação de bem-estar, felicidade e sem falar na vontade que dá de apertar um nenénzinho, pois bem, é com esta fragrância que os clientes da Universo do Bebê são recebidos. Uma loja que encanta em todos os detalhes que, cuidadosamente, foram pensados para oferecer uma grande experiência em compras. E tem coisa mais gostosa do que produtos infantis? Cristiane complementa ainda dizendo que tudo que envolve este mercado é fascinante, feliz e repleto de amor. “A compra de produtos para uma criança é sempre alegre. Seja para um novo bebezinho que está prestas a chegar ou um que já esteja maiorzinho, não importa, quem vem comprar, vem contente. E para nós é uma satisfação enorme saber que fazemos parte desses momentos maravilhosos. Por isso, nossos clientes são tão especiais e devem ser recebidos e atendidos com a mesma alegria e confiança com que vem nos procurar”, pontua Cristiane.

Então se a sua ideia é montar o enxoval ou apenas presentear, mas procura uma loja que além de oferecer qualidade, variedade e bons preços, lhe permita uma experiência diferenciada em compras, a Universo do Bebê é o lugar certo. Você encontrará roupinhas super fofas, móveis a pronta entrega, carrinhos, acessórios e muito mais. Tudo o que o bebê precisa em um só lugar. Confira algumas das seções que a loja disponibiliza:

  • Acessórios
  • Banheira e suporte
  • Bebê conforto
  • Berço desmontável/cercado
  • Bolsas
  • Brinquedos
  • Cadeira auto
  • Cadeiras para refeição
  • Carrinhos
  • Enxoval
  • Kit Berço
  • Modinha meninos e meninas
  • Móveis
  • Poltronas e boosters
  • Puericultura leve
  • Tapetes

Universo do Bebê

Loja 01 – Rua Estefano José Vanolli, 1504

47 3246.5777 – São Vicente – Itajaí – SC

 

Loja 02 – Rua Filipe Schmidt, 334 (em frente ao 1º Batalhão)

47 3346.0330 | Centro – Itajaí – SC

 

Loja 03 – Rua Hercílio Luz, 260

47 3075.0839 | Centro – Itajaí – SC

 

Loja 04 – Av. João Sacavem, 1

47 3342.6410 | Centro – Navegantes – SC

Amamentar é um ato de amor e saúde para o bebê

      Quando nós mulheres confirmamos a gravidez já começamos a planejar a chegada do bebê. Muitas de nós já programou a gestação, mas é quando o resultado dá positivo que temos certeza de que o sonho de ter um bebezinho em casa, começa a se realizar.

    E é aí que nos preocupamos com os exames do pré-natal, o sexo da criança, o enxoval e tudo que envolve essa espera maravilhosa.

  Durante esse período de preparação, uma das principais dúvidas das futuras mamães e papais está relacionada a amamentação. Já ficou mais que comprovado que o leite materno é o alimento fundamental e exclusivo até os primeiros 6 meses de vida.

O leite que nós mães produzimos é sem dúvidas o melhor alimento para o desenvolvimento dos nossos pimpolhos. Esse simples líquido é precioso, contém proteína, lactose, vitaminas, minerais, água, gordura, todos os nutrientes que a criança necessita para seu crescimento e desenvolvimento. No leite materno também estão presentes vários componentes imunológicos que protegem a criança de inúmeras doenças.

Quando estão amamentando muitas mulheres acham que o leite que produzem é fraco, mas a verdade é que cada mãe produz o leite ideal para o seu bebê. Ao tomar o leite materno, a criança vai ter uma digestão mais fácil, porque o alimento é bem absorvido e tolerado pelo organismo dela, diminuindo as cólicas.

Mas eu sei que apesar dessa importância do leite materno, nem todas as mamães conseguem amamentar com o prazer que gostariam. A realidade é bem diferente do que se mostra em comerciais de televisão. E se no passado ninguém contava que amamentar pode ser um desafio, hoje é possível encontrar apoio para fazer desse ato, um momento de amor.

         Buscar ajuda profissional é muito importante, porque com orientação correta e muito carinho as chances da mamãe conseguir amamentar tranquilamente, sem dor e com boa quantidade de leite, aumentam muito!

         Eu oriento as mamães que me procuram antes do bebê nascer e após o parto a passar por essa fase com muito amor e alegria. E no Workshop Babies e Kids eu vou falar sobre a importância da amamentação e vou dar dicas práticas para que você consiga amamentar seu bebê como sempre sonhou.

            Te espero para um bate papo bem especial às 14 horas! Participe!

Inscrições gratuitas e limitadas: https://forms.gle/6BN8bHV5HyQSmKCdA


EFEITO DOS ELETRÔNICOS NO SONO DAS CRIANÇAS

Educadora do Sono Infantil alerta sobre o tempo que as crianças ficam expostas aos eletrônicos durante as férias

O uso de aparelhos eletrônicos é cada vez mais frequente entre as crianças. Desde muito pequenas, elas sabem mexer em telefone celular, tablet e escolher os desenhos favoritos na televisão. Durante as férias essa exposição tende a ficar ainda maior. Os pequenos são cheios de energia e, para os adultos, às vezes fica difícil de acompanhar. É nessa hora que os eletrônicos acabam entretendo as crianças que estão de folga.

O problema é que o hábito pode prejudicar as sonecas da tarde e o sono da noite. A superestimulação dos eletrônicos pode deixar as crianças irritadas, com dificuldades para aceitar limites. “É importante que você saiba reconhecer quando seu bebê está superestimulado e ajudá-lo a se acalmar, pois ele não sabe fazer isso sozinho”, diz a Educadora Integrativa do Sono Infantil, Ana Paula Franz.  E criança que não se acalma, tem dificuldade para dormir e pode ter um sono agitado.

À noite, o uso de aparelhos eletrônicos pode ser ainda mais crítico. Pesquisadores da Universidade da Califórnia/ EUA afirmam que a luz emitida pelo celular faz com que o nosso cérebro entenda que ainda não é hora de dormir, interferindo na liberação da melatonina, o hormônio do sono. Isso faz com que a pessoa durma menos e com menos qualidade. “No outro dia é comum ficar com dificuldade de memória e pouca capacidade de resolver problemas”, afirma Ana.

COMO ORGANIZAR A ROTINA DO SONO DO BEBÊ

Tanto para as sonecas diurnas quanto para o sono noturno, é importante que a mãe crie um ritual para o bebê entender que chegou a hora de dormir. Ele vai ficar calmo se souber o que vai acontecer. Um banho, uma troca de fraldas, uma massagem relaxante, historinhas e muito carinho, sempre igual, vão colaborar para um sono gostoso.

“O ritual deve ser construído de acordo com as necessidades e dinâmica de cada família”, explica Ana. Ela também alerta para a importância das sonecas durante o dia: “elas acalmam e ajudam a criança a dormir bem à noite. O cansaço traz irritação e dificulta o processo”.

QUANTO TEMPO UMA CRIANÇA DEVE DORMIR

As horas de sono variam de acordo com a idade. Quando um bebê é recém-nascido, ele dorme de 16 à 18hs entre o dia e a noite. Conforme vai crescendo as necessidades do dia diminuem e da noite aumentam, chegando a 12hs noturnas com um ano de idade e até 3hs de soneca no dia.

A educadora lembra que a Sociedade Brasileira do Sono recomenda que crianças até sete anos de idade estejam dormindo até as 20hs. “Isso respeita o ciclo natural do organismo, não o deixando extremamente exausto”, explica.

CONSULTORIA DO SONO

O serviço de consultoria do sono consiste em auxiliar gestantes e famílias com bebês e crianças de até cinco anos de idade que estão enfrentando dificuldades para dormir.

Durante o processo, Ana Paula, junto à família, busca entender o que está acontecendo com a criança, assim é possível compreender a rotina, adequar o ambiente e estabelecer hábitos saudáveis para promover o melhor sono possível para todos, sempre levando em consideração a saúde emocional da criança.

SOBRE ANA PAULA FRANZ

Ana Paula Franz é fisioterapeuta e empresária, com duas certificações em Consultoria do Sono Infantil (IMPI e FWII – EUA) e também educadora infantil em Disciplina Positiva.

Durante cinco anos foi empresária do ramo da beleza, em Blumenau. Foi quando engravidou do Miguel que começou a estudar sobre o sono e conheceu a escola americana. Aos seis meses, o filho dela, hoje com quase dois anos, já dormia 12 horas seguidas.

Agora, Ana ensina outros pais a fazerem o mesmo pelos seus filhos – tudo de maneira muito amorosa e acolhedora. A Bom Sono foi fundada em 2017 e presta consultoria via Skype para famílias em qualquer lugar do mundo. Por aqui, o atendimento pode ser presencial.

Contatos:

Ana Paula Franz 47 98851-5231 / @bomsonoconsultoria

Bianca Ingletto 47 99676-0100

FÉRIAS E O SONO DO BEBÊ! É POSSÍVEL CONCILIAR?

As férias estão chegando e as mães que conseguiram colocar os filhos nos eixos para dormir durante o ano, acabam se preocupando nesse período. Mas com alguns cuidados é possível garantir que os pequenos continuem com o sono em dia, diz a consultora do sono Ana Paula Franz. “Não será uma noite saindo da rotina que irá estragar tudo, mas claro que temos que ter bom senso e não precisamos segurar o bebê acordado até a meia noite”.
Se você estiver em casa fica mais fácil fazer o ritual noturno e colocar o bebê pra dormir. Mas se não for este o caso, veja algumas dicas que podem garantir bons momentos durante as férias:
• Se a festa for na casa de um amigo, peça um quarto emprestado para acomodar o bebê. Mas é importante levá-lo até o ambiente antes para ele se familiarizar.
• O uso do ruído branco em casas com mais pessoas pode ser um ótimo aliado para disfarçar o barulho e evitar que o bebê acorde facilmente.
• Se o bebê for mais sensível a mudanças de rotina, o ideal seria não prolongar as comemorações, até porque a companhia de um bebê cansado e chorando não vai ser legal.
• Cuide com o excesso de estimulação. Durante as férias, é comum acharmos que o bebê precisa estar sempre entretido. Isso poderá deixá-lo cansado e irritado. Assim como os pais, eles também gostam de paz e de não fazer nada em alguns momentos.
• Uma dica bacana pra quem for pegar estrada é sair na hora da soneca do bebê, assim ele aproveita pra dormir, descansa e a viagem fica mais tranqüila. É interessante a cada duas horas dar uma parada pra distraí-lo, tirando-o do carro.
• Lembre-se que no calor é preciso hidratar mais o seu bebê, então as mamadas podem aumentar. Se ele for maiorzinho, dê bastante água.
Consultoria do Sono
O serviço de consultoria do sono consiste em auxiliar gestantes e famílias com bebês e crianças de até cinco anos de idade que estão enfrentando dificuldades para dormir.
Durante o processo, Ana Paula, junto à família, busca entender o que está acontecendo com a criança, assim é possível compreender a rotina, adequar o ambiente e estabelecer hábitos saudáveis para promover o melhor sono possível para todos, sempre levando em consideração a saúde emocional da criança.
Sobre Ana Paula Franz
Ana Paula Franz é fisioterapeuta e empresária, com duas certificações em Consultoria do Sono Infantil (IMPI e FWII – EUA) e também educadora infantil em Disciplina Positiva.
Durante Cinco anos foi empresária do ramo da beleza, em Blumenau. Foi quando engravidou do Miguel que começou a estudar sobre o sono e conheceu a escola americana. Aos seis meses, o filho dela, hoje com quase dois anos, já dormia 12 horas seguidas.
Agora, Ana ensina outros pais a fazerem o mesmo pelos seus filhos – tudo de maneira muito amorosa e acolhedora. A Bom Sono foi fundada em 2017 e presta consultoria via Skype para famílias em qualquer lugar do mundo. Por aqui, o atendimento pode ser presencial.

Os primeiros passos do bebê

O uso do andador infantil não é recomendado e é desnecessário para os bebês. Pois pode causar muitos acidentes e até atrasar o desenvolvimento motor do bebê. Mas muitos papais e mamães ficam com dúvidas de como encarar os desafios dos primeiros passos do bebê. Por isso, hoje voltamos a falar dessa fase tão importante! A principal dúvida é: como os pais podem estimular e incentivar o bebê andar?

O fato é que cada criança tem seu tempo, mas em geral, os bebês começam a dar os primeiros passos a partir dos 9 meses. É quando eles começam a se levantar com apoio, e se interessam pelo caminhar. Por volta dos 15 meses eles já são capazes de andar sozinhos, mesmo que desengonçados ou meio inseguros. Nós, os papais e mamães podemos acelerar esse processo usando algumas estratégias:
* Deixar o bebê andar descalço;
* Caminhar com o bebê, segurando-o pelas mãos;
* Incentivar o bebê a caminha alguns metros para chegar até você ou pegar o brinquedo preferido.

Deixe-o explorar a casa, mas claro, esteja sempre por perto para evitar acidentes. Transmita segurança: se ele cair, ajude a levantar com calma e tranquilidade, sem deixa-lo assustado. Durante esse processo é importante os pais transmitirem calma e segurança ao bebê e deixá-lo explorar o espaço para ele se sentir seguro e confiante! No mais, curta cada passo, cada superação, afinal essa fase passa bem rápido e quando você perceber ele não vai mais
precisar da sua mão e vai querer explorar o mundo sozinho.

Por

Karina Heusser

Médica pediatra e orientadora em aleitamento materno

(CRM:19817/RQE:13683)

Instagram: pediatrakarinah

 

Dance mãe e bebê

O método Dance Mãe e Bebê oferece um momento de aproximação e aconchego com
seu bebê! Venha desfrutar dessa oportunidade única no primeiro ano da maternidade!

As aulas são terapêuticas, proporcionando na mãe um estado de bem-estar e fortalecimento
do vínculo. Os bebês entram em um estado de profundo relaxamento, tendo reflexos na qualidade do sono, alívio e diminuição de cólicas.

Como se dança com o bebê? Os passos não são ensaiados nem ensinados, são descobertos.
A dança surge de forma espontânea, expressando as emoções e se conectando com o momento
presente! É uma questão de coração, não de técnica.
O método é baseado em três pilares: presença, vínculo e fluidez de emoções. Dançando, a mulher se conecta com o ritmo da música, com seu ritmo e de seu bebê. Ela vai percebendo que sua maternidade é única, assim como seu bebê.

Agende sua aula experimental  • 47 99743.6930

Balneário Camboriú • Meia Praia – Itapema
Facilitadora do método: Caroline Lampe Kowalski Machado
Siga-nos nas nossas redes sociais:
Facebook: Pais e Mães em Construção
Instagram: prescrevendoamor

Cama compartilhada

Compartilhar a cama com os filhos, principalmente com os que estão em fase de amamentação, é um tema que gera muita polêmica. Há quem defenda a pratica, como também há quem não aconselhe. A recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) é que o bebê durma durante à noite no quarto dos pais até a idade de seis meses, em berço próprio. Depois, em berço no quarto do bebê.
Porém, para quem deseja praticar a cama compartilhada é preciso estar muito atento a alguns itens, como também verificar se é algo que poderá ser adequado a você e sua família.
O método funciona de uma forma bem simples, é onde o bebê, a mãe e o pai compartilham a mesma cama. O tempo de permanência do bebê compartilhando a cama, se será apenas nas primeiras semanas de vida ou até que que esteja apto a dormir sozinho, dependerá exclusivamente da decisão dos pais.
A ideia de usar a cama compartilhada nas primeiras semanas, é porque o recém-nascido demanda muita atenção. Em outras palavras, é pela praticidade que o método oferece. Pois, o ritual de cuidar, amamentar, trocar fraldas e verificar a toda hora se o bebê está bem, requerer um desgaste maior quando a criança está longe.
Alguns especialistas apontam que este método vai mais longe do que apenas proporcionar a praticidade, e afirmam que a cama compartilhada é capaz de beneficiar até mesmo emocionalmente a criança.
Precauções
* Ambos os pais devem concordar e se sentir confortável com a decisão em compartilhar a cama com o bebê. Cada participante da cama deve concordar que é igualmente responsável pela criança e reconhecer antes de dormir que está ciente de que a criança está presente no espaço da cama. Não coloque uma criança na cama com um adulto  adormecido que não esteja ciente de que a criança está na cama com ela.
* A cama não deve ter quaisquer bichos de pelúcia ou travesseiros ao redor da criança e nunca deve ser colocado um bebê para dormir em cima de um travesseiro ou cama macia.
* Os adultos devem prender os cabelos, se forem compridos, evitar pijamas com cordinhas que possam enroscar no bebê e retirar joias.
* A cama deve ser segura. Eleja um colchão firme, que pode ser colocado direto no chão ou em uma cama de casal, oferecendo espaço suficiente para acomodar a família. Caso não fique no chão, é preciso inserir grades nas laterais para que a criança não caia da cama durante à noite e seja especialmente cuidadosa acerca de não existir nenhum espaço entre o colchão e a guarda da cabeceira da cama ou a guarda dos pés da cama. Observação: Algumas grades de segurança projetadas para crianças mais velhas não são seguras para bebês porque possuem espaços em sua estrutura que possibilitam a passagem de pequenos corpos ou que estes fiquem presos nelas.
* Posicione a cama no centro do quarto, longe das paredes e sem formar nenhum vão em que o bebê possa ficar preso, asfixiando-se. Mas, se tiver receio e quiser se sentir mais segura, forre o chão com travesseiros ou outro colchão, garantindo uma proteção extra.
* Os lençóis ideais são os com elásticos nas pontas, que se ajustam adequadamente a cama e não ficam soltando e enrolando.
* Considere o uso do co-sleeping. Um berço acoplado a cama onde o bebê tem seu próprio espaço, mas fique muito atenta a ele estar bem preso a cama para não criar um vão entre as duas camas.
* Bichos de pelúcia, almofadas e quaisquer objetos são contraindicados. Como também a permanência de animais de estimação na cama.

* O indicado é que o bebê seja colocado de barriga para cima – posição que reduz a ocorrência de morte súbita –, próximo à mãe e que o pai se deite atrás dela. Essa disposição é mais segura pelo fato de a mulher ter um instinto de alerta mais aguçado em relação ao filho.
* Nunca deixe o bebê sozinho na cama compartilhada.
* Amamente. Quando você amamenta seu ciclo de sono fica em estágios leves e você fica em alerta.
* Evite muitos cobertores e edredons na cama.

Contraindicação
* Tanto os pais quanto as mães que fazem uso de medicamentos controlados, consomem álcool ou são usuários de drogas, não devem compartilhar a cama com seu filho.
* Mãe com seios muito volumosos ou obesidade de um dos pais, devido ao risco de sufocar o bebê.
* Histórico de ronco ou apneia em um dos adultos.

Mas, compartilhar a cama com os filhos não afeta a vida íntima do casal?
Não, pelo contrário, estimula a criatividade. Vários adeptos da cama compartilhada, afirmam que passaram a se curtir ainda mais e a descobrir novos cômodos da casa. Afinal de contas, criatividade não é importante apenas para a criação dos filhos. É importantíssima, principalmente, para a vida do casal.

O meu bebê mama o dia todo. E agora?

Um recém-nascido ou lactente até os 3 meses de vida não sabe ainda ajustar seus horários de alimentação e a demanda calórica é muito maior para que eles possam crescer bastante. Por isso, os bebês ficam grudadinhos mamando quase o dia todo. E é nessa fase que muitas mamães acham que seu leite está fraco ou insuficiente e iniciam complemento ou fazem o desmame.
Mamães, choro do bebê e intervalos entre mamadas não é parâmetro para saber se o leite está sustentando ou sendo suficiente, mas, sim, o peso que o bebê está ganhando e a quantidade de urina produzida no dia. Por isso, é muito importante um acompanhamento de perto nessa fase. Algumas mamães ficam surpresas com a quantidade de retornos que eu marco no primeiro e segundo mês para pesar o bebê, mas é assim que vemos como o bebê está se alimentando e como o leite está sendo produzido!
Há alguns dias que os bebês ficam mais grudadinhos ao peito e mais irritadinhos, podem ser os famosos picos de crescimento.
Criar rotinas facilita muito!

Por KARINA HEUSSER
Médica pediatra e orientadora em aleitamento materno
(CRM:19817/RQE:13683)
Mãe da Sofia e da Katherine
@pediatrakarinaheusser