A importância da leitura

O incentivo ao hábito da leitura pelas crianças precisa começar o mais cedo possível. A educação infantil é uma fase propícia para a formação do interesse pela leitura, visto que é nesta fase onde são formados os hábitos. E a leitura é um bom hábito que deve ser inicialmente incentivado e constantemente nutrido. A escola é um lugar onde as crianças interagem socialmente e recebem diversas influências para sua aprendizagem.

Estimular a leitura é desenvolver a oralidade e enriquecer a comunicação, importantes recursos que favorecem a interação social do indivíduo. A leitura estimula a capacidade crítica, concentração, curiosidade, a interpretação e muitos outros fatores positivos que serão desenvolvidos. Por meio das histórias infantis as crianças sentem alegria e medo, relacionam o real com o imaginário e resolvem conflitos. É através da leitura que se desperta a sensibilidade e se desenvolve o aspecto cognitivo e social de uma criança.

Além disso, contar histórias para crianças desenvolve a linguagem, ampliando o universo de significados e o repertório de palavras, ajudando assim no seu poder criativo e no raciocínio lógico. Estudos apontam que crianças que são expostas à leitura desde a tenra idade têm mais chances de se sair bem em todas as fases da educação formal.

Até mesmo os bem pequenos, que ainda não falam e nem compreendem bem a trama da história, desfrutam deste momento de afeto e partilha durante a contação da história e se encantam com o tom de voz do adulto e as gravuras do livro.

 

Nesse contexto, o papel do adulto – pais e professores, deve ser o de assumir um compromisso com a leitura, criando o hábito de contar histórias, levando as crianças às bibliotecas e livrarias, presenteando-as com livros, despertando assim a curiosidade e fortalecendo os laços afetivos que os envolvem.

Por

Susana Mara Nunes
Coordenadora Pedagógica

Pintando o Sete

http://www.pintandoosete.net.br

(47) 3344-1143

Rua: Laura Muller, N 1177 – Fazenda – Itajaí – Santa Catarina

 

20 coisas que as crianças aprendem brincando

Para aprimorar os conhecimentos e as habilidades, toda criança necessita brincar. E quando uma criança brinca, no mesmo instante, seu mundo ao redor se transforma. Isso porque o olhar imaginativo na infância proporciona, por exemplo, que uma simples árvore se torne um imponente castelo ou uma vassoura, em um robusto e forte cavalo. Em outras palavras, são durante estas interações lúdicas com o mundo, desenvolvidas individual ou coletivamente, que a criança aprende a se enxergar, a enxergar o outro e o espaço habitado. Por isso, brincar é assunto sério e não apenas um passatempo para os pequenos. Confira, o que durante uma simples brincadeira, seu filho pode aprender:

Emocional
1 – Expressar sentimentos e emoções
2 – Representar como está enxergando o mundo
3 – Dar sentido e significado ao que vivencia
4 – Imaginar e criar
5 – Fantasiar e ter mais criatividade

Social
6 – Respeitar os outros e a si mesmo
7 – Cooperação com os outros
8 – Ser generoso e dividir quando necessário
9 – Lidar com as frustrações
10 – Negociação e escuta
11 – Ouvir e construir sentimento de empatia

Cognitivo
12 – Organizar seu pensamento
13 – Desenvolvimento da atenção e concentração
14 – Raciocinar de forma lógica e organizada
15 – Novos conceitos e vocabulário
16 – Aprimoramento do repertório oral

Físico-motor
17 – Conhecer e cuidar de seu corpo
18 – Conhecer os limites e potenciais do corpo
19 – Equilíbrio e prudência nos movimentos
20 – Aprimorar os movimentos refinados

Por

Eureka Brinquedos

 

Aprender brincando

Brincar é uma forma das crianças soltarem a imaginação e se entregarem a um universo mágico de infinitas possibilidades. É neste momento que eles também desenvolvem habilidades cognitivas, sociais e motoras. Por isso, a escolha do brinquedo é tão importante.

Bola de gude, corda, bonecas de pano, casinhas, carrinhos de madeira, amarelinha e resta um. Quantas dessas brincadeiras fizeram parte da sua infância? Mesmo os brinquedos mais simples estimulam a imaginação da criança e permitem que ela crie, fantasie e mergulhe na brincadeira. Esta é uma das ideias defendidas por Kariny Brum, empresária à frente da Eureka Brinquedos Criativos, que trabalha com esse conceito por meio de uma linha diversa.

São bonecas de pano, fantoches, cavalinhos, balanços, brinquedos de montar/encaixar e muitos outros, além da linha de brinquedos Waldorf, Montessori e de outras propostas de educação. As opções, segundo Kariny, procuram desenvolver também a socialização e o brincar em família, hoje um tanto limitada pelo uso de celulares, tablets, computadores e da televisão. “Tudo aqui é pensado para que a brincadeira se torne social, lúdica e seja um verdadeiro e espontâneo processo de aprendizado. É o brincar pelo brincar”, explica a empresária.

Com intuito de estimular uma infância mais livre e criativa, Kariny revela que, tanto no site, quanto na loja física da Eureka Brinquedos Criativos, localizada em Balneário Camboriú, há uma grande variedade de brinquedos de madeira, educativos, científicos e robóticos pensados para o desenvolvimento físico, cognitivo, da linguagem, afetivo e social, para “crianças” de 0 a 99 anos, ou seja, para todas as idades e que atendem a vários públicos, desde os que buscam desenvolver habilidades cognitivas até os que querem movimento e atividade física. “A proposta é oferecer brinquedos que desenvolvam habilidades, trabalhem as emoções e incentivem que pais e filhos brinquem juntos”, finaliza Kariny.

Eureka Brinquedos Criativos

http://www.eurekabrinquedos.com.br

Rua: 100, n° 52 – Centro | Balneário Camboriú | 47 3398.0106   47 99714.4966

A infância e o direito da criança de brincar

Neste mês temos como propósito refletir sobre a brincadeira como direito da criança na infância.
Todas as crianças têm direitos básicos, tais como alimentação, educação, saúde, lazer, liberdade, direito a convivência familiar e de sociedade. As crianças também têm o direito de ser protegidas da discriminação, exploração e negligência. Todos esses direitos as crianças conquistaram por meio da Declaração Universal dos Direitos da Criança durante uma assembleia na ONU em 1959.
Neste mesmo documento consta que é direito da criança brincar. Isto mesmo!! Brincar!!
O Brincar é um direito e está assegurado e regulamentado em lei, conforme o artigo 7º que diz: “Toda criança terá o direito de brincar e divertir-se, cabendo à sociedade e às autoridades públicas garantir a ela o exercício pleno desse direito”.
Sendo o brincar um direito, a infância é um período em que as crianças experimentam e exploram este direito.
Quando a criança brinca durante a infância ela utiliza desta possibilidade para expressar sua cultura, aprender, socializar e se divertir!
Pesquisadores da infância consideram também o brincar como uma atividade essencial ao desenvolvimento infantil.
Para a filosofia da infância, o brincar é pura possibilidade na qual potencializa a infância.
Sendo assim, é importante que seja proporcionado para as crianças tempos e espaços a onde a infância consiga exercer seu direito de brincar!
Na escola “Pintando o Sete” as crianças têm tempos e espaços para brincar na qual a infância é pensada respeitada de maneira que possam expressar seus desejos, em contato com diferentes tipos de brincadeiras, numa metodologia voltada para as especificidades da infância garantindo o direito de brincar!

Por Daniela Gomes Medeiros
Pedagoga especializada em gestão escolar
Mestre em Educação
Coordenadora pedagógica

Brinquedos para crianças são ótimos, mas brinquedos que ajudam a pensar são melhor ainda!

Toda forma de brincar e proporcionar isto para a criança é algo muito importante para o seu desenvolvimento. No entanto, alguns brinquedos fazem tudo pela criança, não estimulando a imaginação dos pequenos. Alguns brinquedos que não possuem forma estruturante, como é o caso das “sucatas” (caixas vazias, embalagens, tampas e outros), num instante este materiais viram casinha, carrinho, cabana e muito mais. Basta deixar a imaginação fluir e ter materiais que possam estimular a criatividade.

Quando a escola de educação infantil tem como um dos seus objetivos desenvolver o imaginário e estimular a criatividade das crianças, esta é uma proposta bem interessante para o trabalho com esta faixa etária. Construir brinquedos com sucata oferece oportunidades para a criança explorar várias de suas habilidades, uma delas é exercitar seu poder de tomar decisões, de expressar sentimentos e de interagir consigo e com o mundo no ato da brincadeira desafiando a imaginação por meio da exploração dos materiais disponíveis.

É importante ressaltar que este recurso didático deverá ter a supervisão sempre de um adulto, e a higiene destes materiais é fundamental, de modo a não oferecer nenhum risco de segurança à criança. O importante, diante disto tudo, é fazer com que a criança tenha um momento para pensar, explorar e criar, não havendo interferências para que façam por ela, deixando a criança participar ativamente.

Construir brinquedos com sucata é uma atividade divertida que pode ser feita não só na escola, como também em família. Os finais de semana com chuva, por exemplo, nos quais as crianças nem sempre tem muito o que fazer, esta atividade vem como uma proposta divertida de interação e aprendizagem para todos!!!

Daniela Gomes Medeiros
Pedagoga com Especialização em Gestão Escolar
Mestranda em Educação – PPGE – Univali
Coordenadora Pedagógica do Centro Educacional “Pintando o Sete”

Depressão infantil existe e pode atrapalhar o aprendizado da criança

Psicopedagoga fala sobre o problema e como os professores podem ajudar nesses casos

 Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a depressão é um transtorno mental que acomete mais de 350 milhões de pessoas em todo o mundo. Quem sofre com esse tipo transtorno pode vir a ter problemas em todas as áreas da vida, seja no trabalho, na escola ou no meio familiar. Apesar da grande maioria da população achar raro, os casos de depressão em crianças e adolescentes aumentam a cada dia. Dados revelados recentemente pela OMS mostraram que esse transtorno é a principal causa de incapacidade de realização das tarefas do dia a dia entre jovens de 10 a 19 anos. Aqui no Brasil estima-se que 1 a 3% da população entre 0 e 17 anos tenha algum quadro depressivo.

Uma criança pode ficar tão deprimida quanto um adulto, o grande problema é que, na maioria das vezes, tal comportamento pode ser interpretado de outra forma pelos pais ou responsáveis, prejudicando o aprendizado e a vida social da criança. Por esse motivo, segundo Ana Regina Caminha Braga, psicopedagoga, especialista em educação especial e em gestão escolar, pais e professores devem estar sempre atentos ao comportamento e as emoções da criança. “É muito importante manter uma relação próxima com a criança, ouvindo suas histórias e perguntando como foi seu dia, tentando entender a situação e ajudando a resolver o problema da melhor maneira possível”, explica.

Antigamente, crianças com depressão não tinham um auxílio adequado, ou profissionais capacitados para orientações. Hoje, o quadro é outro. Já existem profissionais prontos para identificar e diagnosticar o problema, criando programas que ajudem os pequenos a enfrentar tais dificuldades, ajudando na retomada de uma vida normal. Ainda segundo a especialista, crianças com quadro depressivo necessitam de uma ajuda especial para encontrar o prazer em estar em sala de aula. “O professor deve estar atento ao que acontece em sala, ao comportamento dos seus alunos, para poder ajudar de forma adequada cada criança, fazendo com que ela goste e se interesse em estar ali”, detalha.

Para Ana Regina, a atuação da equipe pedagógica também é de suma importância em todo esse processo. “O trabalho com essa criança tem que ser em conjunto. Precisamos articular para que ela se sinta confortável em todas as áreas, assim como estar atentos aos efeitos que esse trabalho vem causando. Só assim vamos conseguir possibilitar a recuperação efetiva da criança com depressão”.

Agora, se você quer evitar que seu filho tenha algum tipo de quadro depressivo, é importante ficar muito atento, pois as crianças desenvolvem muito cedo seu autoconceito em relação aos outros. “As crianças precisam de muita atenção. Elogie e incentive quando ela estiver fazendo alguma coisa. Ela precisa entender que é importante, que tem pessoas que gostam dela, que a respeitam e querem seu bem”, completa a especialista.

B-day Guilherme Augusto Ern

Só um menino muito autêntico como Guilherme Augusto Ern, para ter uma festa de aniversário com seu próprio tema. Guilherme Augusto, filho do renomado cirurgião plástico Dr. Andy Ern e da empresária Thalyta Ern,  completou dez anos no último domingo (19), em Balneário Camboriú – SC, da forma que mais desejou, com uma festa descolada e com a sua cara.  Para abrir as comemorações, a festa teve início ao meio dia, em um típico almoço de família, com um Menu requintado, escolhido pelo aniversariante, com auxílio da produtora de eventos Michelle Montegutte. Após, os convidados mirins desfrutaram de uma tarde inesquecível, repleta de doces, delícias gourmet, futebol de salão, piscina e é claro, muitas brincadeiras. FELICIDADES!

Thalyta e Andy Ern com os filhos Guilherme Augusto e Luma

A empresária e administradora Thalyta Ern com seu filho, o aniversariante Guilherme Augusto Ern