Acne

Acne é o nome que se dá para o que chamamos popularmente de “cravos” e “espinhas”. Trata-se de uma doença de pele que afeta uma estrutura chamada folículo pilo-sebáceo, formada por uma glândula sebácea e por um “canal” em que se forma o pelo.

A acne pode ter influência hereditária, além disso, está relacionada aos hormônios sexuais masculinos ou andrógenos, produzidos tanto em homens quanto em mulheres. A elevação destes hormônios durante a adolescência provoca um aumento da produção de gordura pelas glândulas sebáceas da pele, fazendo com que a doença seja muito comum na fase da adolescência. No entanto, não é exclusiva dessa faixa etária, podendo persistir na idade adulta e, até mesmo, surgir nesta fase, sendo mais frequente em mulheres.

Causas

Sabe-se que quatro fatores são importantes na formação desse quadro:

  • O excesso de óleo (sebo): a glândulas sebáceas produzem oleosidade em excesso.
  • Folículo obstruído: causado pelo sebo que não consegue fluir livremente para a superfície da pele. Se isto acontecer, surge o “cravo”.
  • Bactérias: No ambiente criado dentro do folículo obstruído, uma bactéria chamada Propionibacterium acnes se multiplica transformando o cravo em espinha.
  • Inflamação: As bactérias produzem substâncias inflamatórias que determinarão qual o tipo de acne se desenvolverá.

Como na adolescência a aparência é um fator importante, o comprometimento estético ocasionado pode atingir o lado psicológico e tornar o adolescente inseguro, tímido, deprimido, infeliz, com rebaixamento da autoestima e com cicatrizes que podem persistir pelo resto da vida. Quando necessário, deve ser fornecido suporte psicológico.

TRATAMENTO

É importante buscar ajuda dermatológica, o mais precocemente possível, mesmo se os sintomas forem leves, ou durante os primeiros estágios, pois o tratamento médico é recomendável não só por razões estéticas, mas também para evitar que a condição piore, além de prevenir cicatrizes (marcas da acne) tão difíceis de corrigir na idade adulta. Está ultrapassada a ideia de que não se deve tratá-la por ser considerada “própria da idade”, “de que vai desaparecer com o tempo” ou “de não ser doença”.

O tratamento da acne deve ser orientado por um médico dermatologista, que é o profissional capacitado para indicar os medicamentos ideais para cada caso. Ele varia de acordo com a gravidade do caso e o tipo de pele, e para o tratamento podem ser utilizadas tanto medicações orais, quanto locais.

É importante ressaltar que o tratamento para a acne leva tempo para fazer efeito. A regra geral é de 4 a 8 semanas, embora possa demorar até três meses, e os sintomas podem piorar antes de melhorar. Os pacientes podem desanimar e desistir com facilidade, por isso é importante insistir e manter a rotina, mesmo se não houver uma mudança imediata para melhor.

Independentemente do tratamento escolhido, alguns cuidados com a pele são sempre recomendados. São eles:

– Higienização da pele;

– Remoção diária da maquiagem;

– Uso de produtos oil-free ou não comedogênicos (incluindo o protetor solar).

– Não espremer as lesões! Ao espremer cravos e espinhas, há o risco de infecção, inflamação e cicatrizes.

– A limpeza de pele, que pode ser realizada por esteticistas devidamente capacitadas, tem ação importante para o esvaziamento de lesões não inflamatórias (cravos), evitando a sua transformação em espinhas.

– Apesar de não ter participação na causa da doença, a dieta pode ter influência no curso da acne em algumas pessoas. Dietas ricas em açúcar, leite e seus derivados devem ser evitados pelos pacientes que apresentem acne e percebam agravação dos sintomas após a ingestão dos mesmos.

Por

Dra. Giane Pelegrini

Médica Dermatologista CRM/SC 11585 RQE 12128

Edifício Seixas Business Tower
Rua Dr. Nereu Ramos, 197 • Sala 805 (esquina com Av. Marcos Konder – ao lado do Hospital Marieta) Centro – Itajaí |SC

(47) 3311-3223 | 98866-8336
http://www.gianepelegrini.com.br
FACEBOOK – @dra.giane.pelegrini
INSTAGRAM – @dra.giane.pelegrini

Cuidados com a pele no inverno

No inverno o clima fica mais seco por causa da baixa umidade do ar, deixando nossa pele mais ressecada e áspera. E para nós que moramos no Sul do Brasil, onde o frio é mais intenso, estas mudanças podem ser percebidas facilmente. Além disso, passamos a tomar banhos mais quentes, que reduzem a oleosidade natural da pele contribuindo com a piora do quadro.

Mas é possível passar pela estação mais fria do ano mantendo a pele saudável e bonita com alguns cuidados. Confira algumas dicas:

1) Beba água

A hidratação também é feita de dentro para fora. É comum que no tempo frio, devido a menor perda de água pelo corpo, as pessoas não tomem tanta água como no verão, o que é errado, pois a ingestão diária de água deve ser, em média, de 2 litros. Você pode variar bebendo águas saborizadas, sucos, chás e sopas.

2) Nada de banho muito quente

Evitar banhos muito quentes ou demorados. A água quente pode ressecar ainda mais a pele, que fica mais sensível nesta época do ano.

Evite o uso excessivo de sabonete, principalmente nos braços e pernas, pois em excesso eles retiram a oleosidade natural da pele, deixando-a mais ressecada e suscetível a infecções. O ideal são as versões mais hidratantes e suaves, livres de detergentes ou agentes irritantes.

3) Não esqueça o hidratante

Passar cremes hidratantes logo após o banho é fundamental, e reaplicar conforme a necessidade ao longo do dia. Abuse deles nos locais mais ásperos do corpo como joelhos, cotovelos e calcanhares.

4) Cuidados com os lábios

Os lábios também costumam ressecar muito no inverno. É importante usar hidratantes específicos para essa região e, assim, evitar rachaduras. Dê preferência aos que possuem protetor solar.

5) Use água termal

Para quem acha que é água termal é uma água comum, se engana. Ela é extraída de fontes termais especiais, é rica em minerais e possui propriedades hidratantes, calmantes e regenerantes, que ajudam no cuidado com a pele. A dica é dar uma pequena borrifada no rosto logo após o banho, deixar secar e aplicar um hidratante.

6) Protetor solar também no inverno

Não deixe de usar o protetor solar diariamente. Apesar de os raios ultravioletas estarem menos intensos que no verão, a proteção solar se faz necessária.

7) Boa época para tratamentos estéticos

O lado positivo do inverno é que a ausência de sol forte beneficia diversos tratamentos. É a melhor época do ano para cuidar da pele do rosto, fazendo uso de produtos mais fortes, como o ácido retinóico, que além de estimular o colágeno, atuando no tratamento de rugas, pode corrigir manchas adquiridas com o sol do verão. Também é a época ideal para se fazer peelings químicos, tratamentos a laser e microagulhamento, que tratam manchas, rugas e flacidez.

Agende sua consulta e aproveite para cuidar ainda mais da pele nesta estação!

Por

Dra. Giane Pelegrini

Médica dermatologista 

CRM/SC 11585 RQE 12128

Edifício Seixas Business Tower 

Rua Dr. Nereu Ramos, 197 | Sala 895 – Centro – Itajaí – SC

(47) 3311-3223 / 98866-8336 Whats App

Facebook: Dra. Giane Pelegrini | Instagram: dra.giane.pelegrini

Queda de cabelo: principais causas e como tratar

A queda de cabelo é um problema comum e uma das grandes queixas dos pacientes em clínicas dermatológicas.

Os cabelos fazem parte da proteção natural contra traumas e radiações solares, mas também exercem importante papel na autoestima entre homens e mulheres, pois emolduram a face e transmitem jovialidade.

Em média, uma pessoa perde cerca de 100 fios diariamente. Esse número, no entanto, quando ultrapassado, pode representar alguma doença e deve ser corretamente avaliado por um dermatologista.

Principais causas da queda de cabelo 

Eflúvio telógeno: causa mais comum de queda capilar transitória, e consiste na queda de fios em várias regiões do couro cabeludo resultando na diminuição da densidade capilar.

As causas podem ser as mais diversas como: 

– Pós-parto;

– Pílulas anticoncepcionais;

– Infecções;

– Traumas físicos e/ou emocionais;

– Pós-operatório;

– Distúrbios hormonais;

– Deficiência de vitaminas, proteínas e minerais;

– Medicações orais: antidepressivos, inibidores de apetite, anabolizantes, anticonvulsivantes, anti-hipertensivos, anticoagulantes;

– Dietas restritivas e má alimentação.

Alopécia Androgenética (“calvície”): doença genética e progressiva que leva ao afinamento e rarefação dos fios. Os primeiros sinais podem surgir no início da idade adulta, sobretudo se há antecedentes familiares. Os homens são os mais atingidos e a queda é mais acentuada nas têmporas (“entradas” na região da testa) e na “coroa”. Nas mulheres os cabelos vão se tornando mais finos e há uma rarefação difusa nas regiões da parte mais alta da cabeça e frontais (acima da testa).

Diagnóstico 

É realizado pelo dermatologista que fará rigorosamente as avaliações hormonais e a realização de exames clínicos e laboratoriais de sangue, quando necessários, para excluir uma ou outra causa da queda de cabelo.

Tratamento

Irá variar de acordo com as características e necessidades de cada paciente analisado.

– Medicamentos tópicos: minoxidil, fatores de crescimento.

– Medicamentos de uso oral: finasterida, dutasterida, espironolactona.

– Vitaminas: reposição de ferro, zinco, vitamina D, biotina

– Laser e LED: estimulam a circulação sanguínea no couro cabeludo e auxiliam na recuperação da saúde capilar;

– Intradermoterapia capilar: injeção de medicamentos e vitaminas no couro cabeludo;

– MMP (Microinfusão de Medicamentos na Pele): utilizada em especial para o tratamento da alopécia androgenética masculina e feminina. Usa máquina com microagulhas estéreis para perfuração do couro cabeludo e infusão de diversos tipos de ativos que irão atuar diretamente no folículo piloso.

– Transplante capilar: é uma opção nos casos mais avançados, nos quais já ocorreu dano irreversível nos folículos e não houve resposta completa com os tratamentos citados anteriormente.

Deve-se lembrar que o tratamento é prolongado e os resultados surgem após alguns meses de cuidados diários. A reavaliação é sempre necessária para quantificar a resposta individual aos tratamentos e, se necessário, modificação das medicações e associação com outras terapias.

Por

Dra. Giane Pelegrini

Médica dermatologista 

CRM/SC 11585 RQE 12128

Edifício Seixas Business Tower 

Rua Dr. Nereu Ramos, 197 | Sala 895 – Centro – Itajaí – SC

(47) 3311-3223 / 98866-8336 Whats App

Facebook: Dra. Giane Pelegrini | Instagram: dra.giane.pelegrini

Giane Pelegrini

Dermatologia trabalhada com eficiência e com foco no atendimento humanizado.

Dizer que a médica dermatologista Giane Pelegrini é apaixonada por sua área de atuação pode até parecer clichê, mas é a mais pura verdade. E, segundo ela, é esse amor que a impulsiona ir além, a se dedicar e a se manter em constante estudo e aprimoramento. Formada em medicina pela Universidade do Vale do Itajaí (Univali), em 2004, e especialista em dermatologia em 2010, Giane é membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD). Entre os seus últimos cursos de aperfeiçoamento,
destaque para o de Cirurgia Dermatológica, Cosmiatria e Laser pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD), realizado na cidade de São Paulo, durante todo o ano de 2018.

Atuando especificamente na área da dermatologia há nove anos no mercado de Santa Catarina, Giane revela que um dos seus grandes sonhos pôde ser realizado em 2018, o de ter um espaço próprio projetado para oferecer a melhor experiência aos seus pacientes. E revela ainda que tudo e todos os detalhes foram pensados cuidadosamente e podemos dizer que com o seu toque final na decoração, o consultório é puro charme e aconchego. Isso sem mencionar que conta com modernos equipamentos tanto para área estética quanto para o tratamento de doenças.

Com agenda cheia, a dermatologista se desdobra nos atendimentos personalizados e na constante busca por aperfeiçoamento. “Adoro o meu trabalho, e vivo a dermatologia de forma intensa e completa. Este é um dos fatores que me possibilita estar em constante evolução na área. Isso sem falar que sou fascinada por casos que me desafiam ir além e a buscar os melhores resultados aos meus pacientes”, pontua a médica. E entre os diferenciais que oferece
em seu consultório, destaque para o atendimento personalizado e humanizado. “Aqui meus pacientes são acolhidos em um ambiente tranquilo e com mimos. Isso porque cada um deles é único para mim”, revela.

Atuante na sociedade, Giane procura também levar informação de qualidade a toda a população. Para isso, mantém suas redes sociais e site em constante atualização com artigos, dicas e novidades da área. “Me sinto na obrigação de levar ao maior número de pessoas um conteúdo relevante em relação a importância e cuidados que devemos ter com nossa pele de forma geral. Afinal, dermatologia não é apenas estética, mas, sim, sinônimo de saúde e qualidade de vida”. Além disso, Giane comenta que é por isso que o contato com seus pacientes não se dá apenas no consultório, pois sempre que solicitada nas redes sociais, por exemplo, ela mesma faz questão de tirar dúvidas e responder as inúmeras mensagens que recebe.

E como simpatia, carisma e qualificação ela tem de sobra, confira alguns serviços disponíveis no consultório da dra. Giane Pelegrini:

• Dermatologia pediátrica: prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças da pele que podem atingir bebês, crianças e adolescentes.
• Dermatologia clínica: prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças que acometem a pele, unhas e cabelo.
• Dermatologia cosmiátrica: procedimentos estéticos que têm como objetivo manter a saúde, beleza e jovialidade da pele.
• Dermatologia cirúrgica: procedimentos realizados na pele, como biópsias; remoção de sinais/ pintas ou câncer de pele e aplicação de Nitrogênio Líquido (crioterapia).

Por

Edifício Seixas Business Tower
Rua Dr. Nereu Ramos, 197 • Sala 805 (esquina com Av. Marcos Konder – ao lado do Hospital Marieta) Centro – Itajaí |SC

(47) 3311-3223 | 98866-8336
http://www.gianepelegrini.com.br
FACEBOOK – @dra.giane.pelegrini
INSTAGRAM – @dra.giane.pelegrini

Conheça os benefícios da Toxina Botulínica

A Toxina Botulínica, popularmente conhecida como “Botox” foi a maior descoberta da medicina estética dos últimos 20 anos. Na atualidade é um dos procedimentos não cirúrgicos mais realizados no Brasil e no mundo pelos seus resultados rápidos, eficientes e seguros.

Quando rimos, choramos ou ficamos bravos, os músculos da face se contraem e como consequência destas frequentes contrações há o desenvolvimento de linhas de expressão, tais como as linhas horizontais da testa, os “pés de galinha” ao redor dos olhos e os vincos entre as sobrancelhas. A toxina botulínica promove o relaxamento destes músculos atenuando essas linhas e vincos, resultando em uma aparência mais jovem e descansada.

Porém, engana-se quem pensa que este procedimento está indicado somente para pessoas de mais idade e com mais rugas. Atualmente este procedimento é também considerado preventivo, e sua indicação de uso se inicia nos primeiros sinais de marcas de expressão. Porém, o ideal é que o médico avalie cada caso e veja se realmente o procedimento é indicado e necessário.

E para quem tem medo que o rosto fique sem expressão, a tendência é um tratamento individualizado levando a um relaxamento que deixe um aspecto mais natural.

Como é o procedimento
A aplicação é praticamente indolor pois é feita com uma agulha muito fina. Além disso, utilizamos um creme anestésico, 30 minutos antes do procedimento, para atenuar o incômodo.

Efeitos
Os efeitos da toxina botulínica não são imediatos e começam a ser observados em 48-72 horas após o procedimento, mas serão observados de forma mais completa em aproximadamente duas semanas.

Duração
A duração total do efeito é de aproximadamente de três a seis meses, até que desaparece gradativamente e a ação muscular retorna. Este tempo pode variar de acordo com cada caso, dependendo da resposta individual do paciente, da técnica de aplicação e da dosagem aplicada.

Efeitos colaterais
Pode ocorrer dor de cabeça leve logo após a aplicação, formação de pequena mancha roxa no local das injeções e em raros casos pode ocorrer uma queda temporária e reversível da pálpebra superior.

Contraindicações
Gestantes, mulheres que estejam amamentando, portadores de doenças neuromusculares ou pessoas com hipersensibilidade conhecida a algum dos ingredientes da toxina.

Outras indicações
– Hiperidrose (suor excessivo) em regiões palmares, plantares e axilares;
– Rugas do pescoço (“Nefertiti Lift”): conhecido como “pescoço de peru”;
– Hipertrofia do músculo masseter: afinamento da parte inferior do rosto;
– Sorriso Gengival.

Por

Dra. Giane Pelegrini

Médica dermatologista 

CRM/SC 11585 RQE 12128

Edifício Seixas Business Tower 

Rua Dr. Nereu Ramos, 197 | Sala 895 – Centro – Itajaí – SC

(47) 3311-3223 / 98866-8336 Whats App

Facebook: Dra. Giane Pelegrini | Instagram: dra.giane.pelegrini

Saiba o que é a acne da mulher adulta e como tratar

Grandes inimigas na adolescência, as espinhas estão aparecendo no rosto de mulheres adultas. Estudos apontam que elas afetam 40% da população feminina e a busca para a solução desse problema nos consultórios médicos vem se tornando cada vez mais frequente.

Estes sintomas ocorrem a partir dos 25 anos, podendo ter início nessa fase ou ser um quadro persistente desde a adolescência. A localização das lesões é muito característica e acontece, principalmente, na região da mandíbula e queixo, causando muito desconforto, pois as lesões são mais profundas, doloridas e de coloração avermelhada. Algumas ainda formam pústulas, saliências na pele com pus. As lesões se manifestam mais durante o período pré-menstrual, sob influência hormonal ou estresse psicológico.

Como afeta mulheres em uma faixa etária econômica e socialmente ativa, esse quadro pode influenciar negativamente as relações pessoais e profissionais, podendo diminuir a autoestima, levar ao isolamento social e à depressão, por isso, o tratamento deve ser rápido e eficaz.

Os motivos principais que promovem o aparecimento da acne na mulher adulta são:

  • Alterações hormonais
  • Uso de maquiagens, cosméticos ou protetores solares inadequados,
  • Alimentação
  • Estresse
  • Medicamentos

Tratamento

A escolha do tratamento ideal dependerá de cada caso e da gravidade da doença, sendo importante uma avaliação detalhada da paciente pelo médico dermatologista que a acompanha.

Na maioria das vezes, os tratamentos são contínuos, ou seja, quem tem acne na fase adulta precisará sempre controlá-la. O tratamento deve ser iniciado o mais precocemente possível para evitar as cicatrizes e manchas.

Se confirmada a influência hormonal podem ser utilizados anticoncepcionais orais específicos como os que contém acetato de ciproterona e drosperinona.

Podem ser utilizadas também medicações de uso tópico como os ácidos, os mais indicados são os ácidos retinóico, glicólico, salicílico e azeláico. Eles controlam a oleosidade excessiva da pele, clareiam as manchas causadas pela acne, reduzem a ação microbiana e promovem uma, micro esfoliação, que remove os tecidos mortos que podem entupir os poros. Quando a resposta a estes tratamentos não é satisfatória associamos medicamentos como os antiandrógenos (espironolactona) e antibióticos de uso oral.

Já o tratamento com Isotretinoína (Roacutan®) é prescrito em casos de acne mais grave ou para pacientes com acne refratária aos tratamentos convencionais. O principal alerta no uso desta medicação é que ela pode causar malformação fetal em caso de gravidez, portanto durante o tratamento e até um mês após o término as mulheres não podem engravidar de jeito nenhum.

Além disso é recomendado:

  • Lavar o rosto pelo menos duas vezes ao dia com sabonetes que controlem a oleosidade.
  • Limpeza de pele
  • Peelings químicos superficiais,
  • LED (Light emitting diodes) em que a Luz Azul ajuda a diminuir a concentração da bactéria responsável pela acne (Propionibacterium acnes).

Como vocês podem ver, existem várias causas e vários tratamentos para a acne da mulher adulta, portanto, procure sempre o seu médico dermatologista para avaliar adequadamente o seu caso e qual o melhor tratamento para você!

Por

Dra. Giane Pelegrini

Médica dermatologista 

CRM/SC 11585 RQE 12128

Edifício Seixas Business Tower 

Rua Dr. Nereu Ramos, 197 | Sala 895 – Centro – Itajaí – SC

(47) 3311-3223 / 98866-8336 Whats App

Facebook: Dra. Giane Pelegrini | Instagram: dra.giane.pelegrini

Saiba o que é melasma e como tratar

Melasma é o nome que damos para aquelas manchas escuras ou acastanhadas, que aparecem mais comumente na face, principalmente nas “maçãs do rosto”, testa e lábio superior (o chamado “buço”). Elas têm formatos irregulares e geralmente são simétricas, aparecendo nos dois lados do rosto.

O melasma é uma das maiores queixas nos consultórios dos dermatologistas e um dos problemas de pele mais difíceis de serem tratados. É considerado uma doença crônica, com períodos de melhora e piora e surge mais em mulheres na idade entre 20 a 50 anos, mas também pode ocorrer nos homens.

Apesar de não apresentar complicações referentes à própria doença, trata-se de manchas em áreas visíveis do rosto causando grande incômodo estético, as pessoas se sentem constrangidas, tornam-se tristes e retraídas, procuram esconder a mancha a todo custo, prejudicando sua qualidade de vida e o convívio social.

Causas:
O melasma é causado por uma produção aumentada da melanina, proteína que dá a coloração da pele. Os fatores que causam este aumento são:

1) Exposição ao sol: a radiação ultravioleta (UV) estimula a produção da melanina.
2) Hormônios da gravidez: o melasma na gestação surge por conta do aumento de hormônios que ativam a produção de melanina.
3) Pílula anticoncepcional: neste caso, as manchas podem surgir em mulheres com predisposição genética e que tiveram contato com a radiação solar sem o uso adequado do protetor;
4) Luz visível: é toda luz que enxergamos a olho nu – lâmpadas artificiais, telas de computador, TV e até mesmo do celular- e que estimulam a produção da melanina. Ou seja, até em um ambiente fechado é essencial o uso do protetor solar.

Tratamento:
Não existe cura para o melasma, porém há diversas opções de tratamento. A escolha é feita por meio de uma consulta bem orientada e decidida em acordo entre o paciente e o dermatologista.

Em casa pode ser feita a aplicação de cremes clareadores à base de ácido retinóico ou glicólico, hidroquinona, ácido kójico, arbutin, entre outros. Na maioria dos casos os resultados começam a aparecer de dois a três meses do seu uso.

Existem também os tratamentos realizados em consultório:
– Microagulhamento: um rolinho de pequenas agulhas que provocam microperfurações na pele e reduzem a pigmentação.
– Peelings químicos: aplicação de ácidos que facilitam a penetração dos despigmentantes e ajudam a remover o pigmento das camadas superiores da pele.
– Lasers: há algumas formas de energia luminosa que podem ajudar no tratamento do melasma. Porém, se forem utilizados de forma inadequada, estimulam o escurecimento das manchas.

O protetor solar é fundamental e a reaplicação deve ocorrer várias vezes ao dia, idealmente a cada 2 ou 3 horas. O fator de proteção (FPS) de no mínimo 30 é o mais recomendável. Além disso, durante o tratamento não é recomendável a exposição aos raios solares, para que os sintomas não retornem.

Prevenção:
O melasma é teimoso – basta uma nova exposição desprotegida para que o problema volte com tudo. Portanto, mesmo que ele clareie, o tratamento deve continuar para manter o resultado. Esta é a chamada de “fase de manutenção” que tem como ponto principal a proteção solar que deve ser mantida diariamente.

Portanto, converse com o seu médico dermatologista para que ele possa indicar os melhores tipos de produtos para a sua pele e, ainda, o tratamento ideal para o seu caso. Busque sempre a estabilização dos benefícios já alcançados e tome muito cuidado com soluções milagrosas e que prometam cura total do quadro.

Por

Dra. Giane Pelegrini

Médica Dermatologista

CRM/SC 11585 RQE 12128

Edifício Seixas Business Tower

Rua Dr. Nereu Ramos, 197 | Sala 805 | Centro – Itajaí – SC

(47) 3311-3223 / 98866-8336

Entenda o que é rosácea e como evitar que ela piore no verão

O verão é um momento problemático para quem sofre de rosácea porque o sol e o clima quente podem agravá-la. É uma doença vascular inflamatória crônica que afeta principalmente mulheres com pele clara entre 30 e 50 anos. É caracterizada por vermelhidão nas bochechas com alternância de períodos de melhora e piora no início do quadro, evoluindo, com o passar do tempo, para vermelhidão fixa na pele, associada à dilatação de pequenos vasos da pele
(telangiectasias), pápulas (bolinhas vermelhas) e pústulas (pontos de pus), sendo que estas últimas podem ser confundidas com espinhas. Esses sinais são acompanhados de sintomas de pele sensível, como queimação e formigamento.

Os efeitos da rosácea vão além dos problemas de pele – existe um importante componente emocional da doença. Em uma pesquisa recente feita pela Sociedade Nacional de Rosácea, nos Estados Unidos, com cerca de 500 pessoas portadoras desta patologia, 42% relataram se sentir tristes ou deprimidas devido a aparência de suas peles. Mais de 76% dos entrevistados disseram que a rosácea diminuía sua autoestima e cerca de 50% já faltaram ao trabalho por conta dos sintomas graves da doença.

Fatores desencadeantes
A origem da rosácea ainda é desconhecida. Há uma predisposição individual (mais comum em brancos), que pode ser familiar (30% dos casos têm uma história familiar positiva), evidenciando uma possível base genética. Além disso, alguns fatores podem desencadear ou piorar a rosácea, aumentando o fluxo de sangue para a superfície da pele. São eles:

• Exposição a temperaturas muito altas ou muito baixas
• Exposição ao sol
• Bebidas quentes
• Alimentos picantes
• Bebidas alcoólicas
• Atividade física intensa
• Irritação da pele por maquiagem, cremes ou outros produtos de uso tópico
• Estresse, ansiedade ou nervosismo
• Banhos quentes ou saunas

Tratamento
Embora seja uma doença que não tem cura, a rosácea é bem controlada, desde que seja feita à procura precoce pelo dermatologista, a instituição do tratamento correto, o acompanhamento dermatológico frequente e, principalmente, a adesão do paciente ao que lhe foi prescrito, assim como a não exposição aos fatores agravantes/desencadeantes.

O primeiro passo é a proteção. É essencial usar protetor solar com FPS acima de 30 e reaplicá-lo a cada duas horas. Seu uso é necessário para evitar que os raios solares estimulem a inflamação da pele.

Em relação aos cuidados, o dermatologista avaliará o grau para indicar o melhor tratamento. Para quem apresenta apenas vermelhidão, é possível utilizar medicamentos de aplicação na pele com ativos calmantes que melhoram o processo inflamatório. Em quadros mais avançados, o médico pode recomendar medicamento oral. O laser ou luz pulsada também podem ser usados como forma de tratamento para destruir os vasos dilatados.

Em casos persistentes e recidivantes é possível o uso de isotretinoína (o conhecido “Roacutan”) que exige cuidado redobrado com o uso de protetor solar, já que a substância deixa a pele ainda mais sensível à luz.

Como a pele com rosácea é muito mais sensível a produtos cosméticos, é importante ter cuidado com o uso de substâncias que contêm ácidos e álcool. Os cosméticos permitidos são as linhas específicas para peles sensíveis, mas com tendência à oleosidade. Quem gosta de maquiagem para disfarçar a vermelhidão do rosto deve preferir produtos hipoalergênicos, corretivo e base em tom verde, que neutraliza a cor vermelha da rosácea. Outra ótima
dica é adicionar à rotina de beleza a água termal, pois ela possui ação anti-inflamatória e acalma a pele.

Por

Dra. Giane Pelegrini

Edifício Seixas Business Tower
Rua Dr. Nereu Ramos, 197 | Sala 805 | Centro | Itajaí – SC
(47) 3311-3223
WhatsApp: (47) 98866-8336

Duas profissionais à frente do seu tempo

Elas são jovens, apaixonadas pela Medicina e sempre conectadas com o que existe de mais moderno em suas áreas. Cientes da importância do atendimento multidisciplinar, trabalham lado a lado na busca para atender as necessidades de seus pacientes. Especializadas em dermatologia e em ginecologia, respectivamente, as médicas Mariana Flessak (CRM 12389 RQE 11825) e Ana Comin (CRM 12387 RQE 8926) unem seus conhecimentos para tratar distúrbios que podem requerer o domínio de ambas as habilidades.

Dermatoses que ocorrem no período gestacional, manchas durante e após a gravidez, tratamento da acne da mulher adulta são algumas patologias que envolvem as duas especialidades. “Mais recente, as técnicas para rejuvenescimento íntimo também podem requerer o domínio da dermatologia e da ginecologia simultaneamente”, completam as médicas. Em comum, elas têm o gosto por aprender e a vontade contínua de aprimorar seus conhecimentos. Congressos, seminários e cursos no Exterior fazem parte da agenda das profissionais, que se formaram há 11 anos na mesma Universidade.

“É uma parceria que deu certo, pois tanto eu, quanto a Mariana, estamos sempre buscando o próximo nível em nossas áreas. Gostamos de pesquisar, nos aprofundar e enriquecer nossa bagagem profissional continuamente”, completa Ana, que é formada pela Universidade do Vale do Itajaí, onde hoje também atua como docente.

ANA COMIN
A médica Ana Comin realizou sua residência em ginecologia num hospital de alta complexidade. Após a especialização, foi em busca de conhecimento adicional através de estágios em hospitais de referência em São Paulo e Minas Gerais. Ainda durante a residência, realizou o ALSO® – um programa educacional, referência mundial de melhoria e uniformização multidisciplinar de cuidados maternos, concebido em 1991 pela Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos.

Toda sua vontade de conhecer e aprender sempre teve um objetivo: levar conforto e excelência em Medicina aos pacientes. A médica realiza cirurgias videolaparoscópicas com o objetivo de diminuir o tempo de internação hospitalar, deixar cicatrizes menores, menor taxa de sangramento e aderências pós-operatória, entre outros benefícios.

Também realizou aprimoramento em cosmetoginecologia, que objetiva o estudo de técnicas modernas de cirurgias genitais estéticas. A prática ainda inclui a associação da cosmética e do uso de laser para promover melhoras estéticas, bem como aspectos relacionados à atrofia e síndrome do relaxamento vaginal.

MARIANA FLESSAK
Formada pela Universidade do Vale do Itajaí, tem especialização em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia e Associação Médica Brasileira. Faz da sua rotina uma busca constante pela formação complementar. Com o objetivo de aprimorar-se profissionalmente, em 2016 realizou estágio de complementação especializada em Oncologia Cutânea no Hospital Clínic de Barcelona, considerado um centro de referência na Europa. É também, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica e do Grupo Brasileiro de Melanoma.

Atualmente, trabalha com Dermatologia Clínica, Cirúrgica e Estética, mas dedica-se com especial interesse a oncologia cutânea. Atua no diagnóstico, tratamento e prevenção do câncer de pele e foi uma das pioneiras na região em realizar o exame conhecido como “mapeamento corporal total”. Este exame auxilia no diagnóstico precoce do câncer de pele e na sua prevenção.

Na área de dermatologia estética, a médica trabalha com o auxílio de equipamentos de ponta e realiza procedimentos para o rejuvenescimento, tanto facial quanto corporal.

 

PELE NO INVERNO: CONHEÇA OS 10 ERROS MAIS COMETIDOS DURANTE A ESTAÇÃO MAIS FRIA DO ANO

O inverno é a estação do ano que mais maltrata a nossa pele. Ao mesmo tempo, é o período ideal para realizar tratamentos estéticos. Por isso, o cuidado nessa época do ano precisa ser redobrado. A dermatologista Dra. Cintia Guedes Mendonça explica quais são os erros mais cometidos pelas pessoas durante a estação mais fria do ano e que acabam prejudicando a pele:

1)      Não usar protetor solar
Mesmo que o sol não esteja tão forte, acredite que ele está lá e pode trazer danos à pele. Aplicar o protetor solar durante todos os dias é importantíssimo.

2)      Não tomar água
No inverno, às vezes nos esquecemos de hidratar nosso corpo por não sentir tanta sede como no verão. Isso é um erro gravíssimo, porque a hidratação começa sempre de dentro para fora e vai ajudar a sua pele a ficar muito mais bonita.

3)      Tomar banhos muito quentes
É comum as pessoas demorarem mais no banho no inverno com a água quente caindo pelo rosto. Porém, a água muito quente faz a oleosidade natural ir embora e faz com que a pele comece a descamar. Se isso acontecer é um sinal para diminuir a temperatura da água.

4)      Não hidratar a pele
A hidratação da pele nunca pode ser deixada de lado e na época mais fria do ano lábios, axilas e mãos tendem a ressecar ainda mais. Aposte no creme hidratante no corpo e em protetores labiais.

5)      Usar base na pele seca
Se você não vive sem base, o ideal é ter uma para o inverno e outra para o verão, mesmo porque nosso tom de pele muda de uma estação para outra. No inverno, a base deve ser mais umectante para que a pele não pareça ressecada ao longo do dia.

6) Não dar importância ao nível de umidade no ar
O umidificador de ar é uma das melhores coisas que você pode se dar nessa época do ano.  A umidade certa do ar deixa sempre a pele e os cabelos mais bonitos e ainda evita alergias.

7) Abusar dos produtos para acne
Produtos para acne são geralmente mais abrasivos na pele e devem ser evitados no inverno. Tônicos que levem álcool na composição devem ser substituídos por extratos botânicos.

8) Excesso de esfoliação a pele
Evite ensaboar demais e fazer muita esfoliação nessa época do ano, pois isso pode deixar a pele ainda mais seca e causar rachaduras.

9) Usar tocas e gorros em excesso
O uso desses acessórios aumenta ainda mais a oleosidade do couro cabeludo, fazendo com que se formem fungos e bactérias na região capilar. Dormir com os cabelos molhados também não é recomendado.

10) Molhar os lábios com a própria saliva
Muitas pessoas possuem essa mania, porém isso só faz com que os lábios ressequem ainda mais, causando até rachaduras. Para evitar isso, abuse dos batons hidratantes e umectantes labiais.

Foto:Pixabay

Sobre a Dra. Cintia Guedes Mendonça:
Dra. Cintia Guedes Mendonça é graduada pela Faculdade de Medicina de Santo Amaro com pós-graduação em Dermatologia pelo Instituto Superior de Medicina e em Medicina Estética pelo Instituto Brasileiro de Ensino. É especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Site: http://www.clinicavitalli.com.br