Imposição social da maternidade perfeita

Você também tem a sensação que as pessoas esperam que as mães estejam sempre felizes? Que não se pode falar sobre os lados não tão bons assim da maternidade, pois por algum motivo, já interpretam como se você não quisesse mais ser mãe?

Percebo rotineiramente, uma imposição social de que a mãe precisa estar sempre sorrindo, feliz e plena, como se a maternidade fosse um passaporte para a felicidade”! Um verdadeiro mar de rosas, onde tudo simplesmente flui maravilhosamente!

É lógico que ser mãe envolve momentos maravilhosos, inexplicáveis, de muito amor e coisas lindas, mas não é assim o tempo todo não! E essa cobrança contribui MUITO para que as mães se sintam culpadas, especialmente quando “não podem” demonstrar como realmente estão se sentindo: muitas vezes esgotadas, com um desgaste emocional gigantesco, e tudo isso guardado dentro delas, pelo medo de receber críticas ou de ser julgada.

Afinal, não é raro ouvir frases como “Ué, está reclamando do que se foi você que escolheu ter filhos?”! Entendam uma coisa: a mãe pode até estar cansada, exausta, desanimada e irritada, mas isso não quer dizer que ela não ame seus filhos! E por favor, colabore, não seja mais uma destas pessoas que julgam sem tentar se colocar no lugar daquela mãe!

E só para concluir, vale sempre lembrar, tristeza e cansaço fazem parte da natureza humana, portanto mamãe, se você se sente assim, não se culpe, não se sinta mal, e não precisa esconder seus sentimentos. Afinal, a vida não é feita só de bons momentos, não é mesmo? Levanta, sacode a poeira, e vida que segue. Uns dias mais pesados, outros mais leves, e assim será sempre!

Sabe o que uma mãe precisa, de fato? Apoio, acolhimento, respeito, um ombro amigo, pessoas que estejam dispostas a vê-la como um ser humano com todos os sentimentos que qualquer um tem! Vamos nos unir e nos ajudar? Vamos juntos desromantizar um pouco a maternidade, parar de julgar e ser um pouco mais empático com a vida do outro! A maternidade não é uma competição!

Por

Ana Paula Petry

Av. Cel. Marcos Konder, 1313, centro, Itajaí – SC, 88301-300

47 99172.5620

Instagram: gestandoeaprendendo

Anúncios

EDUCANDO OS FILHOS POR MEIO DA DISCIPLINA POSITIVA

Especialista dá dicas de como aplicar o método em casa

Faz algum tempo que as palmadas estão saindo de cena e a Disciplina Positiva ganhando destaque no desenvolvimento das crianças. Tanto que a Academia Americana de Pediatria atualizou recentemente o seu código de ação e recomenda que os pediatras aconselhem os pais contra o uso de qualquer forma de punição corporal e verbal – como bater, gritar ou humilhar os pequenos.

A orientação está de acordo com a metodologia da Disciplina Positiva. Esta é uma
forma de ensino que tem como foco ajudar as crianças a serem capazes de lidar com
suas próprias emoções. “Além disso, por meio da Disciplina Positiva, ensinamos aos
nossos filhos habilidades de vida como respeito, confiança, resolução de problemas e
empatia”, afirma a educadora infantil Ana Paula Franz. “Muitos pais acreditam que a
criança precisa sofrer um pouco ou elas não aprenderão nada; outros, que não são a
favor do autoritarismo, caem na permissividade; e ambos são prejudiciais para educação
em longo prazo”, completa.

A punição faz com que a criança se sinta mal e colabore menos. Segundo Ana, desta
forma ela começa a lhe desafiar e a se recusar a fazer as coisas. Por isso, o ideal é
concentrar as energias na solução e não no problema; e a Disciplina Positiva tem
justamente o objetivo de ajudar as crianças a aprenderem com o que fizeram. Então,
quando você se deparar com situações difíceis, tenha em mente que é possível resolvê-
las de uma forma respeitosa, ensinando seu filho e oferecendo alternativas diferentes
daquela que você não deseja ou não pode.

A educadora infantil orienta a deixar de lado os “nãos” e ameaças e a envolver a criança
para que juntos consigam chegar a um acordo. “Por trás da birra, da falta de
colaboração, existe uma gama enorme de sentimentos e necessidades que os pais não
estão enxergando. Pode ser frustração, cansaço, raiva… emoções muito complexas para
uma criança lidar”, afirma Ana. Pra finalizar, a especialista lembra que os adultos é que
são responsáveis pelo comportamento dos filhos, não o contrário!

DICAS PARA APLICAR A DISCIPLINA POSITIVA
Pequenos ajustes podem fazer uma grande diferença na educação dos pequenos. Mas
apesar de parecerem óbvios, na prática, exigem sair do automático. Por isso, é preciso
pensar o que queremos que a criança aprenda e se torne quando adulta. Na Disciplina
Positiva, uma palavra pode mudar tudo.

Perguntar ao invés de mandar
Sai daqui que eu preciso limpar essa bagunça que você fez!
Disciplina Positiva: E agora! Como podemos limpar isso juntos?
Divida esse brinquedo com seu amigo!
DP: Como você e seu amigo podem brincar juntos?

Gentileza e firmeza

Autoritário: Não vou falar de novo! Se não guardar esses brinquedos agora, vou jogar
no lixo.
Permissivo: Não sei por que você não me escuta!Fico tão triste!
DP: Eu sei que você não quer guardar os brinquedos e está na hora de arrumá-los. Você
quer ligar o cronômetro ou cantar uma música enquanto guardamos?

Encorajar ao invés de elogiar

Elogio: Estou tão orgulhoso de você!
Encorajamento: Você se esforçou muito, aposto que está orgulhoso de si mesmo!

Conexão antes da correção
Eu te amo e acredito que podemos encontrar uma solução juntos para esse problema.

Permitir que as crianças aprendam a lidar com os sentimentos
Posso ver que você está muito brava por não poder pegar isso.

Ensinar as crianças o que fazer
Ao invés de dizer: “não bata” ou “não pegue esse copo”, diga: “faça carinho” demonstrando isso. Ou então: “você pode brincar com esse pote aqui”

PERGUNTAS E RESPOSTAS

A DISCIPLINA POSITIVA DÁ CERTO COM TODAS AS CRIANÇAS, INCLUSIVE
ASMAIS DIFÍCEIS?
ANA PAULA FRANZ – A DP dá certo com todas as crianças, pois é uma abordagem
que busca entender os desafios de comportamento como oportunidades de
aprendizagem, sendo um caminho sem volta de respeito mútuo e conexão. É uma
construção que pode não surtir efeito em curto prazo, como punir. Os resultados
ocorrem em longo prazo, por isso, a limitação está muito mais nos adultos – que são
imediatistas – que nas crianças.

QUEM EDUCOU ATÉ AGORA COM GRITOS E TAPAS PODE COMEÇAR A EXERCER A DISCIPLINA POSITIVA?
APF – Certamente. O grande desafio está justamente no adulto conseguir abrir mão do
seu padrão de educação atual, seja autoritário ou permissivo. Os responsáveis pela
educação da criança precisam sair do piloto automático e levar para a consciência as
suas ações e o uso das ferramentas da disciplina positiva dentro de cada atitude do filho.
Em um primeiro momento pode existir estranhamento por parte do filho, mas com o
tempo ele vai melhorar muito a relação e o senso de colaboração e respeito. É uma
mudança como qualquer outra, que só irá se tornar fácil com o tempo e a prática.

QUAL O RESULTADO DA DISCIPLINA EM LONGO PRAZO?
APF – O principal resultado é ensinar valiosas habilidades sociais e de vida para um bom caráter, através do respeito, empatia, poder na resolução de problemas, cooperação, contribuição. A disciplina positiva convida a criança a descobrir o quanto ela é capaz, encorajando a usar o seu poder pessoal e autonomia de uma forma construtiva.

Por

ANA PAULA FRANZ
Educadora Infantil em Disciplina Positiva – PDA
Contato: 47 98851-5231

EFEITO DOS ELETRÔNICOS NO SONO DAS CRIANÇAS

Educadora do Sono Infantil alerta sobre o tempo que as crianças ficam expostas aos eletrônicos durante as férias

O uso de aparelhos eletrônicos é cada vez mais frequente entre as crianças. Desde muito pequenas, elas sabem mexer em telefone celular, tablet e escolher os desenhos favoritos na televisão. Durante as férias essa exposição tende a ficar ainda maior. Os pequenos são cheios de energia e, para os adultos, às vezes fica difícil de acompanhar. É nessa hora que os eletrônicos acabam entretendo as crianças que estão de folga.

O problema é que o hábito pode prejudicar as sonecas da tarde e o sono da noite. A superestimulação dos eletrônicos pode deixar as crianças irritadas, com dificuldades para aceitar limites. “É importante que você saiba reconhecer quando seu bebê está superestimulado e ajudá-lo a se acalmar, pois ele não sabe fazer isso sozinho”, diz a Educadora Integrativa do Sono Infantil, Ana Paula Franz.  E criança que não se acalma, tem dificuldade para dormir e pode ter um sono agitado.

À noite, o uso de aparelhos eletrônicos pode ser ainda mais crítico. Pesquisadores da Universidade da Califórnia/ EUA afirmam que a luz emitida pelo celular faz com que o nosso cérebro entenda que ainda não é hora de dormir, interferindo na liberação da melatonina, o hormônio do sono. Isso faz com que a pessoa durma menos e com menos qualidade. “No outro dia é comum ficar com dificuldade de memória e pouca capacidade de resolver problemas”, afirma Ana.

COMO ORGANIZAR A ROTINA DO SONO DO BEBÊ

Tanto para as sonecas diurnas quanto para o sono noturno, é importante que a mãe crie um ritual para o bebê entender que chegou a hora de dormir. Ele vai ficar calmo se souber o que vai acontecer. Um banho, uma troca de fraldas, uma massagem relaxante, historinhas e muito carinho, sempre igual, vão colaborar para um sono gostoso.

“O ritual deve ser construído de acordo com as necessidades e dinâmica de cada família”, explica Ana. Ela também alerta para a importância das sonecas durante o dia: “elas acalmam e ajudam a criança a dormir bem à noite. O cansaço traz irritação e dificulta o processo”.

QUANTO TEMPO UMA CRIANÇA DEVE DORMIR

As horas de sono variam de acordo com a idade. Quando um bebê é recém-nascido, ele dorme de 16 à 18hs entre o dia e a noite. Conforme vai crescendo as necessidades do dia diminuem e da noite aumentam, chegando a 12hs noturnas com um ano de idade e até 3hs de soneca no dia.

A educadora lembra que a Sociedade Brasileira do Sono recomenda que crianças até sete anos de idade estejam dormindo até as 20hs. “Isso respeita o ciclo natural do organismo, não o deixando extremamente exausto”, explica.

CONSULTORIA DO SONO

O serviço de consultoria do sono consiste em auxiliar gestantes e famílias com bebês e crianças de até cinco anos de idade que estão enfrentando dificuldades para dormir.

Durante o processo, Ana Paula, junto à família, busca entender o que está acontecendo com a criança, assim é possível compreender a rotina, adequar o ambiente e estabelecer hábitos saudáveis para promover o melhor sono possível para todos, sempre levando em consideração a saúde emocional da criança.

SOBRE ANA PAULA FRANZ

Ana Paula Franz é fisioterapeuta e empresária, com duas certificações em Consultoria do Sono Infantil (IMPI e FWII – EUA) e também educadora infantil em Disciplina Positiva.

Durante cinco anos foi empresária do ramo da beleza, em Blumenau. Foi quando engravidou do Miguel que começou a estudar sobre o sono e conheceu a escola americana. Aos seis meses, o filho dela, hoje com quase dois anos, já dormia 12 horas seguidas.

Agora, Ana ensina outros pais a fazerem o mesmo pelos seus filhos – tudo de maneira muito amorosa e acolhedora. A Bom Sono foi fundada em 2017 e presta consultoria via Skype para famílias em qualquer lugar do mundo. Por aqui, o atendimento pode ser presencial.

Contatos:

Ana Paula Franz 47 98851-5231 / @bomsonoconsultoria

Bianca Ingletto 47 99676-0100

20 coisas que as crianças aprendem brincando

Para aprimorar os conhecimentos e as habilidades, toda criança necessita brincar. E quando uma criança brinca, no mesmo instante, seu mundo ao redor se transforma. Isso porque o olhar imaginativo na infância proporciona, por exemplo, que uma simples árvore se torne um imponente castelo ou uma vassoura, em um robusto e forte cavalo. Em outras palavras, são durante estas interações lúdicas com o mundo, desenvolvidas individual ou coletivamente, que a criança aprende a se enxergar, a enxergar o outro e o espaço habitado. Por isso, brincar é assunto sério e não apenas um passatempo para os pequenos. Confira, o que durante uma simples brincadeira, seu filho pode aprender:

Emocional
1 – Expressar sentimentos e emoções
2 – Representar como está enxergando o mundo
3 – Dar sentido e significado ao que vivencia
4 – Imaginar e criar
5 – Fantasiar e ter mais criatividade

Social
6 – Respeitar os outros e a si mesmo
7 – Cooperação com os outros
8 – Ser generoso e dividir quando necessário
9 – Lidar com as frustrações
10 – Negociação e escuta
11 – Ouvir e construir sentimento de empatia

Cognitivo
12 – Organizar seu pensamento
13 – Desenvolvimento da atenção e concentração
14 – Raciocinar de forma lógica e organizada
15 – Novos conceitos e vocabulário
16 – Aprimoramento do repertório oral

Físico-motor
17 – Conhecer e cuidar de seu corpo
18 – Conhecer os limites e potenciais do corpo
19 – Equilíbrio e prudência nos movimentos
20 – Aprimorar os movimentos refinados

Por

Eureka Brinquedos

 

Aprender brincando

Brincar é uma forma das crianças soltarem a imaginação e se entregarem a um universo mágico de infinitas possibilidades. É neste momento que eles também desenvolvem habilidades cognitivas, sociais e motoras. Por isso, a escolha do brinquedo é tão importante.

Bola de gude, corda, bonecas de pano, casinhas, carrinhos de madeira, amarelinha e resta um. Quantas dessas brincadeiras fizeram parte da sua infância? Mesmo os brinquedos mais simples estimulam a imaginação da criança e permitem que ela crie, fantasie e mergulhe na brincadeira. Esta é uma das ideias defendidas por Kariny Brum, empresária à frente da Eureka Brinquedos Criativos, que trabalha com esse conceito por meio de uma linha diversa.

São bonecas de pano, fantoches, cavalinhos, balanços, brinquedos de montar/encaixar e muitos outros, além da linha de brinquedos Waldorf, Montessori e de outras propostas de educação. As opções, segundo Kariny, procuram desenvolver também a socialização e o brincar em família, hoje um tanto limitada pelo uso de celulares, tablets, computadores e da televisão. “Tudo aqui é pensado para que a brincadeira se torne social, lúdica e seja um verdadeiro e espontâneo processo de aprendizado. É o brincar pelo brincar”, explica a empresária.

Com intuito de estimular uma infância mais livre e criativa, Kariny revela que, tanto no site, quanto na loja física da Eureka Brinquedos Criativos, localizada em Balneário Camboriú, há uma grande variedade de brinquedos de madeira, educativos, científicos e robóticos pensados para o desenvolvimento físico, cognitivo, da linguagem, afetivo e social, para “crianças” de 0 a 99 anos, ou seja, para todas as idades e que atendem a vários públicos, desde os que buscam desenvolver habilidades cognitivas até os que querem movimento e atividade física. “A proposta é oferecer brinquedos que desenvolvam habilidades, trabalhem as emoções e incentivem que pais e filhos brinquem juntos”, finaliza Kariny.

Eureka Brinquedos Criativos

http://www.eurekabrinquedos.com.br

Rua: 100, n° 52 – Centro | Balneário Camboriú | 47 3398.0106   47 99714.4966

Culpa materna

Se tem algo que frequentemente acompanha as mães, geralmente mais que os pais, é o sentimento de culpa, o qual muitas vezes sem nos darmos conta, sentimos. Seja pelo próprio julgamento, por ter feito algo diferente do que esperávamos como sendo o “ideal”,ou pelo julgamento alheio – que infelizmente muitas vezes vem de pessoas bem próximas de nós, inclusive familiares. Este é um sentimento comum no universo da maternagem, mas acredite, não tem que ser assim.

A culpa pode vir de várias situações: por ter deixado o bebê chorar, por acreditar que deu “colo demais” ou de menos, por ter dado chupeta, por não conseguir amamentar, por achar que atenção e a dedicação não foi o suficiente ou foi demais, por ter que colocar o filho na escola, por não dar conta das tarefas domésticas como dávamos antes, por não dar mais a atenção que gostaríamos ao marido e vice-versa, por ter cedido a “birra”, por ter deixado demais na frente da TV, por ter dado em alguns momentos o “nuggets” ao invés da comida saudável, por ter
deixado o filho aos cuidados de alguém por algumas horas depois de meses ou anos que você não tinha mais um momento a sós com seu parceiro(a) ou com você mesma, por não estar sempre muito bem arrumada como antes, por largar o emprego ou continuar nele, por não ter tempo para si, por ter que dividir a atenção entre o bebê e outro(s) filho(s) e por muitas outras coisas, muitas mesmo!

O fato é que querendo ou não, este sentimento nos acompanhará em diversas situações. Mas vale parar e refletir: afinal de contas, porque nos culpamos tanto? É humanamente impossível dar conta de 100% tudo, sem ter “falhas”, ou conseguir suprir todos os papéis que a sociedade nos impõe ou que nós mesmas nos cobramos! Eu percebo que a sociedade nos cobra e impõe regras, mas sabe de uma coisa? O pior de tudo é o nosso “juiz interno” afinal, não nos permitimos errar, o que é uma maldade tremenda com nos mesmas, porque precisamos ser tão severos conosco?

Nós não temos como dar conta de tudo sempre, e o tempo inteiro! Errar faz parte da vida, e nós precisamos passar pelos nossos erros para nos desenvolver! E muitas vezes a “receita mágica” da amiga não é nada mágica para nós. E aliás, perfeição não combina com seres humanos, pois é uma utopia, jamais será possível atingir a perfeição!

Por isso tenho uma sugestão: que tal, ao invés de focar nas falhas, procurar enxergar o tanto de coisas boas que já conquistamos e conseguimos após a maternidade?! Sugiro que você troque este olhar das coisas negativas para as positivas, assim pode-se valorizar muito mais os pequenos avanços, e aos poucos, a culpa vai sendo substituída por um sentimento de tranquilidade e com a consciência de que fizemos o que foi possível naquele momento!

Maternar é se superar, dia após dia! Afinal, sempre tem algo que jamais esperávamos ser capazes! Vamos parar de procurar agulhas em palheiros.

Por

Ana Paula Petry

Psicóloga CRP 12/10780 

Edf.. Liberty, 2° andar | sala 206 | Itajaí 

Facebook e Instagram: gestandoeaprendendo

(47)99172-5620

Balneário Shopping promove Bailinho de Halloween para a criançada

Crianças de todas as idades já podem escolher a fantasia para dançar até cansar no Bailinho de Halloween do Balneário Shopping. O agito kids vai rolar das 19h às 21h da próxima quarta, 31 de outubro, quando bruxas, caveiras e esqueletos dividirão a cena em uma divertida festa – gratuita e aberta ao público – preparada especialmente para os pequenos.

O evento, que acontecerá no Jardim da Praça Gourmet, terá mesas cobertas de doces para alegrar a criançada e trilha sonora especial para entrar no clima de “travessuras ou gostosuras”. Recreadoras promoverão brincadeiras e farão pinturinhas no rosto das crianças. O Bailinho de Halloween faz parte da programação especial do Mês das Crianças, que trouxe atrações incríveis como a exposição Mundo Jurássico, que segue até 11 de novembro no Balneário Shopping.

Para participar do Bailinho de Halloween, que tem vagas limitadas, é só confirmar a inscrição pelo site http://www.balneariocamboriushopping.com.br

AGENDA
Bailinho de Halloween
Local: No Jardim da Praça Gourmet (Pavimento L2) do Balneário Shopping
Data: 31 de outubro (quarta)
Horário: 19h às 21h
Valor: Gratuito (vagas limitadas)
Inscrições: http://www.balneariocamboriushopping.com.br

 

Será que amamentar é mesmo um conto de fadas?

Que o leite materno é repleto de benefícios, todo mundo já sabe, mas amamentar vai muito além disso. E sinceramente, acredito que para poder incentivar mais mulheres a seguir na amamentação, elas precisam saber do outro lado da história!

A começar pelo “conto” de que todo bebê nasce sabendo mamar. É um novo aprendizado tanto para mãe quanto para o bebê, e nem sempre é tão “instantâneo” e se por algum motivo (prematuridade, por exemplo) o bebê não puder ter o contato com o peito nas primeiras horas de vida, isso pode dificultar um pouco mais.

Amamentar dói, e mesmo que a pega esteja correta pode doer, afinal, o peito está supersensível, e como a demanda inicial é muito grande (pois o bebê pode querer mamar muito mais que a cada 3 horas), pode levar dias para a dor passar. E falando nisso, você não precisa contar exatamente 3 horas, nos primeiros meses o bebê ainda está em adaptação, por isso, pratique a livre demanda. Ou seja, dê de mamar sempre que o bebê quiser, mesmo que signifique ficar com o bebê colado ao peito, isso é confortante para ele, nutritivo para o corpo e mente do bebê.

Amamentar também é desgastante, cansativo, dá muita fome, e sede. Aliás, você precisa beber muita água, para se hidratar e auxiliar na produção do leite. Também precisa descansar, sempre que possível, pois o excesso de desgaste físico e emocional, pode fazer com que sua produção de leite diminua.

E acredite: as pessoas vão te questionar a respeito da decisão de amamentar. Se você não amamenta, perguntam porque não. Se amamenta, perguntam até que idade, se não mama demais, se seu leite é fraco, etc. Falando nisso, não existe leite fraco, portanto, fique tranquila.

No início pode parecer difícil e dar a impressão que você não vai conseguir, mas depois que começa a fluir, é muito gostoso, e a gente passa a curtir bem mais. Por isso, persista, e leve um dia de cada vez, tem pessoas que tem muita facilidade, outras já sofrem um pouco mais. O apoio das pessoas que convivem com a recém mamãe é fundamental para este sucesso! Por isso, ao invés de criticar, vamos apoiar e incentivar as mamães que querem amamentar, ok!

Agora, caso enfrente problemas, minha sugestão é procurar uma consultora em amamentação, pode fazer toda a diferença neste processo. Agora aproveitando o tema, você já parou para pensar como se sente a mãe que não amamenta?

Agora vamos parar e pensar um pouco! Você alguma vez já se perguntou o que aconteceu para que aquela mãe estivesse dando leite de fórmula e não leite materno para o seu filho? Será que é isso que faz com que ela seja mais, ou menos mãe, melhor ou pior mãe? Amamentar por si só já é algo bem difícil, e as pessoas também não apoiam o quanto deveria. Mas não amamentar, olha, vou te contar, é muito difícil! Lidar com pessoas que não fazem o mínimo para compreender o que está por trás daquele “não amamentar” é desgastante.

Minha intenção não é desmotivar ninguém a amamentar, muito menos incentivar que as pessoas deem leite de fórmula, mas mostrar que existe muito mais coisas por. Você que passou por isso, sabe muito bem do que estou falando! Você que não passou por isso, por favor, não julgue. Tenhamos empatia umas pelas outras e vamos viver um universo materno melhor, sem comparações e sem julgamentos!

Por

Ana Paula Petry

Instagram e Facebook: gestandoeaprendendo

(47)99172-5620

Av. Cel. Marcos Konder, 1313

Centro, Itajaí – SC, 88301-300

Patrulha Canina visita Balneário Shopping neste final de semana

Os filhotes mais amados dos desenhos infantis vão visitar o Balneário Shopping neste final de semana. Os simpáticos cachorrinhos da Patrulha Canina  recepcionarão os pequenos neste sábado e domingo na Ri Happy. Alguns dos personagens estarão na loja de brinquedos das 12h às 19h30 no sábado, e das 14h às 19h30 no domingo, com pausa para descanso a cada 30 minutos.

Série de animação infantil canadense criada por Keith Chapman, a Patrulha Canina reúne seis heroicos cãezinhos, ainda filhotes, e o pequeno Ryder, um garoto de 10 anos que lidera a matilha. Trabalhando em equipe, esses personagens se empenham em solucionar problemas e ajudar ao próximo. Munidos de extrema habilidade para resolver as mais variadas questões, cada cachorrinho dispõe de uma personalidade única e funções completamente distintas.

As senhas numeradas para tirar fotos com os personagens podem ser retiradas diretamente na Ri Happy do Balneário Shopping a partir das 11h de sábado.

AGENDA

Patrulha Canina na Ri Happy

Local: Ri Happy do Balneário Shopping

Data: Sábado (29) e domingo (30)

Horário: 12h às 19h30 no sábado e das 14h às 19h30 no domingo

Valor: Gratuito

* Necessário retirar senha numerada na loja

Indicações de restaurantes com espaço kids em Itajaí, Balneário Camboriú e Itapema

ITAJAÍ

1) PRIME PIZZA

Localizada na via gastronômica de Itajaí, a pizzaria tem o melhor custo/benefício da região. As pizzas são deliciosas e o local é intimista. O espaço kids é bem legal, com piscina de bolinhas, cozinhas de madeira e várias caixas com brinquedos.

2) YELLOW BUS

Localizado na Praia Brava, como o nome mesmo diz, tem um ônibus amarelo enorme. Ao lado, em um terreno, o food truck organiza eventos com música e coloca pula-pula .Não tem espaço kids, mas fique de olho na programação e conheça os eventos. Já fomos várias vezes e
nos divertimos muito.


3) SANTO GALETERIA

O mais novo restaurante de Itajaí, o Santo Galeteria, serve uma sequência de galeto assado, polenta frita e massas, além de disponibilizarem um amplo espaço kids.

ITAPEMA

1) RESTAURANTE ESTALEIRINHO
Localizado na estrada do Interpraiais, o restaurante fica em frente ao mar e tem à disposição um espaço kids coberto com televisão, sofá, alguns brinquedos e grama sintética e, o ao lado, banheiro adaptado para os pequenos.

2) CASA DI PAOLO

Franquia italiana com qualidade ímpar no atendimento e na gastronomia, tem ainda um espaço kids coberto e envolto com uma parede de vidro para isolar o som e os pais podem sempre ficar de olhos nas crianças.

3) PASTEL DA VILLA

Pastelaria temática da Vila do Chaves, os garçons se vestem de Chiquinha e Chaves e tem à disposição das crianças as fantasias dos demais personagens.

BALN. CAMBORIÚ

1) PIZZARIA HIPPOPOTAMUS

Um verdadeiro parque de diversão para os filhos dos clientes que, enquanto aproveitam o variado rodízio de pizza, carne e massas, brincam no enorme espaço kids.

2) HAMBURGUERIA GUERRILHA

Ambiente aconchegante, hambúrgueres artesanais de qualidade e um espaço kids seguro, climatizado, coberto, com brinquedos e espaço do soninho para as crianças
que frequentam.

3)RESTAURANTE PECORINO

Localizado no segundo andar do Balneário Shopping, o Pecorino é o mais novo queridinho das mamães, um local muito bem decorado, com um cardápio especial e espaço kids com monitora. Se não conhece, não sabe o que está perdendo!

4)MACARRONADA ITALIANA

Localizada na antiga vila gastronômica de Balneário Camboriú o Macarronada é um restaurante italiano tradicional que serve pratos deliciosos e ainda coloca à disposição dos clientes um espaço kids com escorrega e outros brinquedos.

Por

Marcella Zorzo

Instagram: guiadafamiliadesc