Abordagem psiquiátrica

Ainda existem dúvidas em relação a psiquiatria e ao psiquiatra e isso dificulta o seu acesso e piora o prognóstico dos transtornos mentais. Primeiro é importante entender que o psiquiatra é  o médico que fez residência ou especialização em psiquiatria. Lembrando que se o profissional for especialista, precisa ter o registro que é um número, o RQE (Registro de Qualificação de Especialidades). Isso faz toda a diferença.

O psiquiatra pode trabalhar com a prevenção, com o tratamento e com a reabilitação dos transtornos mentais que podem ser orgânicos ou funcionais e que apresentam sinais e sintomas psicológicos. O psiquiatra alivia o sofrimento psíquico independente da causa. Ele pode tratar depressão, ansiedade, esquizofrenia, outras psicoses, transtorno bipolar, demências, dependência química, transtornos alimentares, transtornos de personalidade e muitos outros.

A consulta é como a de um outro médico de outra especialidade. O psiquiatra irá querer saber sobre as queixas, mas muito mais do que isso, irá querer saber sobre toda a história biológica, psíquica e cultural do paciente, incluindo história familiar e religiosa. É muito importante que a avaliação seja o mais completa possível e por isso muitas vezes são necessárias mais de uma consulta de avaliação até fechar o diagnóstico e direcionar a conduta. O exame do estado mental ocorre basicamente através da conversa. Algumas vezes são necessários exames físicos, de laboratório ou de imagem, avaliações psicológicas, neurológicas ou neuropsicológicas.

Em relação aos tratamentos em psiquiatria pode ser medicamentoso, psicoterápico, em regime de internação ou outros mais inovadores como a estimulação elétrica tránscraniana e eletroconvulsoterapia. Existe todo um arsenal terapêutico em psiquiatria. Mais especificamente sobre a psicoterapia existem diversas abordagens como a comportamental, de apoio, analítica, sistêmica e cada pessoa tem uma indicação. A psicoterapia pode ser realizada por psiquiatra que tenha formação ou por psicólogo, lembrando que um profissional não tem como dominar todas as abordagens ao mesmo tempo. O ideal é que diante de algum sofrimento psíquico haja avaliação do psiquiatra que direcionará para os profissionais e abordagens ideais.

O que eu percebo na psiquiatria é que o quanto antes se procura ajuda, mais fácil é o tratamento, com melhora mais rápida e sua manutenção a longo prazo. Então perca o medo e o preconceito, não perca tempo, procure um psiquiatra.

Por

Dra. Vanessa Adegas Menin

Psiquiatria e psicoterapia 

CRM – 22011 RQE 12908 

CLINSAM – Clínica de saúde mental 

Rua: Antônio Manoel Moreira, 140 – Itajaí

(47)4141.8781 (47)99641.8781

clinsam.dap@gmail.com 

desvendandoapsiquiatria.com.br

Instagram e Facebook: vanessapsiquiatra

Youtube: Desvendando a psiquiatria 

Saúde mental levada à sério

À frente da Clinsam, a renomada psiquiatra Vanessa Adegas Menin fala sobre atuação, diferenciais e o poder do trabalho multidisciplinar e integrado nesta área.

Quebrando preconceitos referentes à área da saúde mental e trabalhando de maneira integrada e multidisciplinar, a psiquiatra Vanessa Adegas Menin é referência e destaque na região. Formada em medicina pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc), especialista em psiquiatria pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e pós-graduada em psicoterapia de orientação analítica pelo Centro de Estudos Luís Guedes (CELG) – UFRGS, além de membro da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), Vanessa se faz presente e de forma atuante em toda a sociedade. Sempre que convidada está em programas de TV, rádio, jornais e revistas, buscando desvendar a psiquiatria para o maior número possível de pessoas. Além disso, compartilha seu conhecimento nas redes sociais, acreditando na psicoeducação como fator determinante na busca pela consciência social no que diz respeito à prevenção, ao tratamento precoce e à diminuição do preconceito em relação à saúde mental e emocional.

E foi sua paixão pela área e a possibilidade em proporcionar, com outros profissionais, um atendimento humanizado, atencioso e de excelência, que fizeram um dos seus grandes sonhos se realizar com a criação da CLINSAM. “Sempre desejei ter uma clínica que pudesse oferecer ao paciente um atendimento completo em saúde mental. E hoje isso se tornou uma realidade. Na CLINSAM conseguimos reunir profissionais experientes, competentes e altamente capacitados para lidar com quaisquer patologias psíquicas em todas as faixas etárias”, destaca a médica. Vanessa comenta, com muita emoção, que nada disso teria sido possível sem o seu marido, sócio e administrador da CLINSAM, Fabiano Menin.

Mas, por que um atendimento multidisciplinar e integrado? Vanessa explica que os resultados mais eficazes acontecem quando o trabalho é realizado em equipe. “Cada profissional da saúde mental e emocional aborda o transtorno mental de forma diferente e se completam de maneira harmônica quando o objetivo é realmente ajudar o indivíduo em sofrimento psíquico. Para ficar mais claro, sempre dou o exemplo do transtorno de humor mais comum no consultório: a depressão. Não há como tratá-la de forma eficaz apenas com medicações; elas são sim
imprescindíveis, porém, a psicoterapia, o estilo de vida saudável (alimentação saudável, atividade física regular e sono reparador) e as terapias holísticas (reiki, meditação, yoga e outras) são infinitamente mais eficazes quando aplicadas juntas do que cada uma de forma isolada.

A equipe CLINSAM é formada por psiquiatras, psicólogos e neurologista no mesmo espaço físico
e ainda conta com profissionais parceiros para os quais encaminhamos clientes quando necessário, como, nutricionistas, educadores físicos, terapeutas holísticos e profissionais de especialidades médicas que podem ser decisivas no processo terapêutico.

Até porque as causas dos transtornos mentais são geralmente multifatoriais e isso significa que o tratamento deve ser multidisciplinar. Trabalhar em equipe pelo paciente é a grande chave para o sucesso terapêutico,” explica Vanessa.

A CLINSAM, mesmo nos seus primeiros meses de funcionamento, em 2018, foi reconhecida como uma empresa de destaque na região e tornou-se referência em saúde mental.

Dentre tantas outras abordagens, a equipe realiza avaliação neuropsicológica, orientação profissional, terapia de casal e individual, dependência química e proporciona tratamentos inovadores na região como realidade virtual por neuro-feedback, além de desenvolver palestras em saúde mental e emocional de acordo com a demanda social, de empresas e em eventos diversos. Tudo na CLINSAM foi desenvolvido com muito carinho e empenho, desde a escolha de cada profissional da equipe até o local, muito acolhedor, aconchegante e de muito bom gosto.
Segundo Vanessa, a CLINSAM veio para ultrapassar tabus e lidar com o sofrimento psíquico de forma integrada e humanizada. Em outras palavras, veio para fazer a diferença em saúde mental.

Fotos: Awen Group

Serviço

Clinsam – Clínica de saúde mental
Rua Antônio Manoel Moreira, 140, Itajaí, SC
(47) 4141-8781 | 9 9641.8781
http://www.clinsam.com.br | contato@clinsam.com.br

Transtornos de personalidade

A personalidade é um conjunto de características psicológicas de cada indivíduo que determinam a sua forma de pensar, sentir e agir. Significa o jeito de ser ou o padrão de funcionamento. Ela define a forma como cada pessoa se relaciona com as outras e como lida com as situações do dia a dia. A formação da personalidade ocorre de forma contínua e gradual e a primeira infância, até cerca de seis anos, são decisivos nesse processo. A personalidade
é influenciada pela genética, pela educação e por fatores ambientais.

Quando esse jeito de ser do indivíduo começa a causar sofrimento para si e para os outros que o cercam, existem grandes chances de haver algum transtorno de personalidade. Geralmente esses indivíduos são rígidos, inflexíveis, não de adaptam ao meio e têm muita dificuldade de se manter inseridos no seu contexto. Sentem-se muitas vezes deslocados, como se não fizessem parte daquele meio.

O diagnóstico desse tipo de transtorno é delicado e bastante complexo, pois muitas vezes o indivíduo pode ter apenas traços de algum transtorno de personalidade ou ter de fato um deles e apresentar traços de vários outros ao mesmo tempo. Identificar se com algum transtorno na teoria não significa tê-lo de fato. Para saber se existe algum problema na personalidade é imprescindível fazer avaliação com especialista em saúde mental, psicólogo ou psiquiatra.

Existem algumas classificações diagnósticas, mas as mais utilizadas são a global e a americana. Talvez por isso exista tanta polêmica em torno desse assunto. As classificações mais utilizadas agrupam os diferentes transtornos em grupos chamados cluster. O grupo, ou cluster A, seria de indivíduos esquisitos, diferentes e excêntricos e nele estão inseridos os transtornos paranoide, esquizotípico e esquizoafetivo. O grupo, ou cluster B, são de pessoas dramáticas, erráticas, emocionais e intensos e os transtornos são o antissocial, o borderline, o narcisista e o histriônico. No grupo C, ou cluster C, são indivíduos ansiosos e em geral medrosos onde estão inseridos os transtornos esquiva, dependente e obsessivo compulsivo. Além disso, existem os transtornos de personalidade sem outras especificações como transtornos de personalidade depressiva, passivo agressiva, obsessivo compulsivo e outros não especificados em outra classe.

O tratamento de primeira escolha para os transtornos de personalidade é psicoterapia e as medicações são utilizadas somente como sintomáticas, caso o indivíduo esteja com o humor deprimido ou, apresentando insônia, por exemplo. Do contrário como pensa a maioria, é possível sim modificar traços disfuncionais de personalidade com psicoterapia e mesmo que não haja o transtorno em si, muitas vezes torna-se necessário modificar algum comportamento que faz parte do padrão de funcionamento.

Procure ajuda se o seu jeito de ser causa algum sofrimento para você ou para o outro. Faça uma avaliação com psiquiatra ou psicólogo.

PERCA O MEDO E O PRECONCEITO, NÃO PERCA TEMPO, PROCURE UM PSIQUIATRA.

Por

Dra. Vanessa Adegas Menin

Psiquiatria e psicoterapia 

CRM – 22011 RQE 12908 

CLINSAM – Clínica de saúde mental 

Rua: Antônio Manoel Moreira, 140 – Itajaí

(47)4141.8781 (47)99641.8781

clinsam.dap@gmail.com 

desvendandoapsiquiatria.com.br

Instagram e Facebook: vanessapsiquiatra

Youtube: Desvendando a psiquiatria 

DESVENDANDO A PSIQUIATRIA

Por Dra Vanessa Adegas 

Tristeza ou depressão?

Muitas pessoas me perguntam se estão com depressão porque estão tristes. Na verdade, a tristeza é uma das emoções básicas do indivíduo e, se for situacional e transitória, é normal e até fisiológica. Aliás, a tristeza eu diria que é salutar  para a nossa evolução como um todo; entretanto, essa tristeza pode tornar-se a doença chamada de depressão se persistir por longo período e for sentida na maior parte do dia, causando prejuízo no funcionamento global do indivíduo. O luto é um exemplo de tristeza situacional e transitória, mas pode tornar-se depressão sim. O luto normal é caracterizado basicamente por três etapas: negação, adaptação e aceitação. Vale ressaltar que o luto não envolve apenas a perda de pessoas, mas também as perdas pessoais relacionadas à saúde ou de suas capacidades funcionais.

Outra forma de identificar se o estado de tristeza transformou-se em depressão é observar a desesperança. Indivíduos apenas tristes, mas não deprimidos, não perdem a capacidade de acreditar no futuro e na sua melhora. Não deixam de acreditar em si mesmos. Vale ressaltar que algumas variações de humor são absolutamente normais na medida em que nenhuma pessoa é tão linear nas suas expressões emocionais. Aliás, um indivíduo que não fica triste não é considerado normal.

Quando se percebe a depressão é momento de procurar um psiquiatra. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão afeta mais de 320 milhões de indivíduos no mundo e é a quarta maior causa de incapacidade. No Brasil, cerca de 5,8% da população, ou seja, 11,5 milhões de brasileiros, têm a doença.

O tratamento será sempre individualizado, até porque existem vários tipos de depressão e diferentes graduações. Além disso, precisamos levar em conta que cada indivíduo reage de uma forma diferente à mesma abordagem terapêutica na medida em que tem vivências diferentes e que não possui a mesma genética e condições clínicas dos demais. Para mim, a única regra que vale para todos os pacientes é a necessidade da mudança no estilo de vida com resultados surpreendentes, principalmente se um dos objetivos for prevenir episódios futuros.

Perca o medo e o preconceito, não perca tempo. Procure um psiquiatra.

Dra. Vanessa Adegas Menin
Médica Psiquiatra em Balneário Camboriú e Itajaí
CRM 22011 RQE 12908
Riviera Business. Itajaí. (47) 3046-8286 (47) 99676-5623
Centro Médico Barra Norte. B. Camboriú. (47) 4108-0060 (47) 99900-0826
http://www.dravanessadegasmenin.blogspot.com.br